“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

23 de abr de 2013

FACEBOOK: há controvérsias...



Nunca vi nada tão amado e odiado ao mesmo tempo. Às vezes, pelas mesmas pessoas. Estranhíssimo isso!

Estranho ver tantas pessoas falando mal do Facebook, mas aceitam 10 mil convites de amizade e continuam lá, logadas o dia todo espreitando a vida dos ‘amigos’. Estão em off, mas basta mandarmos um mensagem inbox que em menos de 10 segundos chega a sinalização de ‘mensagem lida’. Parece coisa de mulher que desce a lenha no marido, mas continua casada com ele. E todos muito preocupados com a exposição, entretanto, têm mais perfis abertos do que fechados. Perfis completíssimos, sem nenhuma informação pessoal bloqueada. Como posso entender isto?

Minha intenção não é falar mal do Facebook, até por que tudo que me incomodava nele já descrevi aqui e já solucionei.  E não tinha nada a ver com o site que sempre me pareceu uma boa ideia a que se propõe: conhecer pessoas na superficialidade numa comunicação genérica e rasa.

Eu faço parte desse ‘entretenimento oco’, como chamam alguns, e continuo lá por isso mesmo. Confesso que tenho uma queda por futilidades despretensiosas que me proporcionam ataques de risos. Não acredito que lá seja o lugar ideal para assuntos de maior relevância, quando fica claro que ninguém lê nada que se apresente com conteúdo robusto e mais espesso e profundo do que uma polegada.

Só sei que meu mundo nunca mais foi o mesmo depois que entrei para o Facebook. Passei a ver coisas nunca antes imaginadas. Estou feliz lá, encontrei exatamente o que esperava encontrar quando aceitei o convite de uma amiga há 4 anos: DIVERSÃO. Ao invés de morrer curiosa, fiz meu perfil com o mínimo de informação permitida e ingressei para esse mundo do ‘faz de conta’. 

Vejo o Facebook como um universo à parte, onde todo mundo é feliz, bem sucedido, bem resolvido e politicamente correto. Acho isso uma maravilha, pois a vida real já é amarga que chega. Há exceções, entretanto. Tem alguns passando por amarguras e acham importante compartilhar com os amigos: uns como desabafo, outros pedindo apoio e orações... Tem as que descrevem sem nenhum pudor a ‘peleja’ com os filhos, genros, e noras... e as baixarias com o marido. Tem quem manda uma enxurrada de indiretas para a suposta affair do marido ou namorado – que está lá, obviamente, na lista do safado. Ela só não sabe exatamente quem é e atira para todos os lados.

Tem também as pensadoras de Instagram que postam reflexões filosóficas profundas de autoajuda, muitas vezes poéticas e sempre acompanhadas das manjadas fotos no espelho fazendo bico. Eu particularmente prefiro a do sorriso congelado, aquela de repuxar os beiços e exibir os dentes. Nooossa, essas são as minhas preferidas – quase rolo de rir. As fotos fazendo pose, então, sem comparação! São as que alegram meu dia: entortam uma perninha pra cá, a outra pra lá, e no final ficam igual a uma siriema com cãibras.

Não posso deixar de fora as que fazem do facebook um diário: contam tudo, tuuuudo mesmo!! O que comeram no almoço, aonde foram, com quem foram... Depois se despedem ‘Tô indo desencravar a unha do meu dedão do pé que tá muito inflamada’. E postam a foto do dedão enfermo pra validar a informação. É nessa hora que eu penso na utilidade do Facebook: já imaginaram ter que ligar, todos os dias, para 800 pessoas só para avisar que vai tomar banho? Não dá né gente.

Relacionamentos na internet é isso, encontramos de tudo e nem nos chocamos com mais nada. Tem desde gente alienada que não tá nem aí para os que fomentam mudanças profundas no mundo, até gente pregando a virtude e os bons costumes numa verdadeira avalanche de moralidade, mas faz crocodilagem com os amigos. (super normal ué, façam o que mando, não façam o que eu faço...

Eu precisaria escrever 10 crônicas, no mínimo, para elucidar as tantas lições de vida que tenho absorvido com relacionamentos virtuais. É de fato uma caixinha de surpresas.  Em meio a tantas coisas esdrúxulas e tantas amizades transitórias, onde a palavra ‘amigo’ cabe em qualquer lugar, tenho visto pessoas estreitar laços verdadeiros de amizade. Pessoas que marcam encontros em grupos para se conhecerem pessoalmente. Desses relatos não acho graça, fico emocionada.

Como vemos, pessoas são complicadas, e não os sites de relacionamentos. Mas os sites precisam de pessoas pra funcionar e é aí que mora o perigo. Mesmo nos cercando de todos os critérios, no mundo virtual nunca saberemos quem é quem. Ainda bem que existem as ferramentas de privacidade e de bloqueios que funcionam perfeitamente bem. Tenho a impressão que muitos não sabem disso. Ou não usam para poder criticar depois.

17 comentários:

  1. Xará, sabe que agora dei risada. O que eu ia comentar aqui, você escreveu no último parágrafo. A maravilha das ferramentas do Facebook, onde você adiciona, deleta, seleciona, etc. Se não fossem por elas, eu já teria saído há tempos, pois não suportaria ver tanta inutilidade, violência, más notícias, etc. Mas, também deixaria de ver os posts e comentários criativos e/ou engraçados. Você falou bem sobre as amizades do Face. Penso que seja a maior vantagem desse site. Nós duas somos exemplo disso. Já nos conhecíamos pela blogosfera, mas foi no Face que descobrimos tanta sintonia e nossa amizade aprofundou-se de uma forma maravilhosa, gratificante. Enfim, entre as vantagens e as desvantagens fico com a primeira opção, graças às "ferramentas" que me permitem excluir a segunda...rs. Bela crônica! Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Xará, as maravilhosas e funcionais ferramentas do Fecebook... Eu tbm uso sem economia, se não, não dá, né amiga... Mas me parece que nem todos fazem isso.

      Podemos ser seletivos e excluir, bloquear o que nos incomoda. Falar mal apenas não resolve.

      Vc disse bem, tem muitas coisas interessantes, criativas engraçadas... E não é isso que procuramos? Coisas leves que nos alegram e distraem?

      Quando escrevi que vejo gente marcando encontros coletivos para se conhecerem pessoalmente, me inspirei em vc! Dentre meus amigos, vc é a que mais promove esses encontros e como acho lindo isso!!

      Conhecer vc melhor e tantos outros amigos, reencontrar amigos de infância, do tempo de colégio no facebook, compensa toda futilidade que vemos por lá, mas que não deixam de ser engraçadas, também rsrs.

      Como sempre adorei o seu comentário!!!

      Um mega beijo! Nos vemos lá daqui a pouco! (aliás, todos os dias rsrs)

      Excluir
  2. Sueli, também convivo sem dilemas com o Facebook. Nunca levei a rede social a sério o suficiente para jogar minha vida ali - contar quando brigo com o marido, desabafar, chorar as mágoas... - não transformei a rede em um diário pessoal, por isso não tenho do que reclamar: não me sinto demasiadamente exposta e nem invadida.

    Quando a futilidade de alguém me cansa os olhos, excluo a pessoa. Posso, não é? Principalmente se a pessoa se mostrar vulgar e apelativa no que posta. Quando o problema são as indiretas, já sei que pra mim não foi... E se fosse?! Bem, nunca me dei ao trabalho de ficar pensando sobre isso. Passo adiante, simplesmente não leio o que não me interessa, busco puramente a diversão ou o reencontro com amigos distantes, numa relação claramente superficial mas que é o máximo que se tem quando quilômetros estão entre um e outro.

    Resumindo a conversa, as ferramentas existem para serem usadas. Rastros eu deixo só para quem eu quiser. Mas se um dia cansar, deleto tudo e vou fazer outra coisa. Afinal, não há nada como ser livre e poder escolher aderir ou não ao "face". Nem amo, nem odeio, tenho com a rede uma relação de interesse: uso somente quando e conforme me convém! rsrsrs

    Beijos (e se não me adicionar ao seu Face eu morroooo kkkkkkkkkkk)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, eu ia te dizer (quase) a mesma coisa: se não me adicionar vou morrer, mas antes vou te difamar na rede hehehe!!!

      Sinceramente falando, sabe o que eu penso de tudo isso? Que as pessoas no FB se mostram exatamente como são fora dele – mais do que imaginam! Se são fúteis, vulgares, mentirosas, barraqueiras, esnobes, etc. lá, o são na vida real. E como lidamos com isso fora da rede? Não consideramos, ‘bloqueamos’, ‘excluímos’. Est tout la même chose !

      É fácil permanecer na rede e tirar proveito somente do que ela nos oferece de bom: contato com pessoas distantes, notícias de primeira mão aqui e ao redor do mundo, dicas, utilidade pública, etc. São muitas coisas interessantes, isso ninguém pode negar. Mas endosso suas palavras, quanto achar que a coisa ficou insuportável, deleto e pronto! Ficar criticando o FB, sempre batendo na mesma tecla não leva a nada, não muda nada. No máximo cansa. Respeito a opinião de quem decide não entrar e de quem decide sair. Porém, estranho quem critica e continua lá. E muitas vezes as críticas são postadas e compartilhadas lá mesmo. Hilário!

      Falando por mim, o que realmente me incomodava eram as fotos chocantes e a pornografia. O resto me diverte.

      Beijão pra vc! Seu comentário como sempre nota 10!!! E sua postura na rede, também!!

      Excluir
  3. Acho que pouco restou pra ser dito nesta tua abordagem pra lá de assertiva, Sueli. Como tudo que tem pelo menos dois lados a considerar, os aspectos negativos podemos controlar minimamente pelas configurações que preservam a privacidade, e os positivos, desfrutar com os devidos cuidados. Eu tenho familiares nos EUA e muitos amigos espalhados pelo Brasil, resultados de vários cursos que fizemos juntos - o face ajuda a manter esses laços de amizade e encurtar as distâncias. A perfumaria, tão bem colocada por vc, a gente contabiliza como diversão, é só não entrar em nenhum mérito da questão, nem compartilhar a tralha repetitiva e sem valor pra gente... guardadas todas as inconveniências, sobram as compensações, né messsss??... rsrsrs
    Quanto ao outro ponto que vc tocou, a blogosfera já me proporcionou momentos muito agradáveis e felizes reunindo pessoas com tantas afinidades que naturalmente vem o desejo de abraçar pessoalmente... ano passado eu e amigos cariocas fomos encontrar uma alagoana, foi maravilhoso...tenho amigos no RS que são como família hj...isso não tem preço!

    Pra finalizar, acho bom demais termos cruzado na caminhada da vida...como não acredito em acasos, fico feliz com estes "inexplicáveis" encontros.
    Beijos procê!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise, sua lucidez e sua postura aqui na blogosfera e no FB são elogiáveis! Sua delicadeza aqui e lá me encanta...

      Eu também sou muito criteriosa com o que compartilho, afinal tenho pessoas de todas as idades na minha lista, pessoas sérias, religiosas, cultas, enfim, é bem diversificada e todos merecem respeito. Só não resisto aos banners engraçados, mas vc sabe disso, ‘tamu junto’ lá...rsrs

      Eu, como vc, tenho amigos por todo o país e lá fora. Tenho parentes distantes que se não fosse pela rede, nem teria noticias.

      Sabe o que mais me atraiu no FB? Eu fiz o perfil e não mais entrei por um ano. Minha filha viajou para Europa e combinamos que ela postaria fotos para eu ver. Voltei a logar e fiquei impressionada com a quantidade de convites de amizade que eu tinha! Amigos de infância que eu não tinha notícias há mais de 45 anos! E outros dos quais eu já me correspondia. Foi algo bastante emocionante. Fiquei me perguntando ‘como todos me acharam?’ rsrs.

      Eu lido muito bem com a ‘perfumaria’ rsrs. Com as repetições cansativas e as baixarias ajo como se estivesse escolhendo feijão rsrs. Tudo compensa pelos amigos adoráveis que temos lá, e embora a comunicação seja ‘superficial e rasa’ (e não tem como ser diferente) nos sentimos pertinho um do outro.

      Um mega beijo pra vc! Eu também acho que termos ‘trombado’ na internet foi bão demais da conta, sô! rsrs. Brigadão pelo seu comment!!

      Excluir
    2. Oi Sueli,
      Boa Noite. Confesso que demorei para aderir ao face, mas quando resolvi fazê-lo, foi pensando na possibilidade de reencontrar grandes amigos e parentes afastado, e neste sentido foi também emocionante pra mim.De vez em quando também publico alguma poesia, mas noto que não consigo muitas curtidas, ou as poesias são muito ruins mesmo, ou o pessoal só curte mesmo fofocas etc. Também sou criteriosa ao compartilhar pois tenho até crianças me adicionando.
      Mas sei que é uma rede não confiável, sei de alguns parentes que estão passando a pior barra e no face se mostram sorridentes, como se o mundo estivesse aos seus pés. Também não gosto de expor minha vida pessoal.
      Parabéns Sueli, fico admirada do seu domínio e seu desprendimento
      ao escrever, fica tudo tão claro e bonito...
      Um abração pra você. Fica com Deus.

      Excluir
    3. Lourdinha!

      Seus poemas são lindíssimos e de uma sensibilidade que comove! Só recebem poucas curtidas porque o FB está cada vez mais dinâmico, é a cultura das ‘coisas rapidinhas’. Eu nem perco meu tempo postando textos, nem o link das minhas postagens eu compartilho.

      O que o FB tem de melhor é isso mesmo, interagir com amigos e parentes distantes, que do contrario nem teríamos noticias.

      Expor a vida como um livro aberto na rede é, no mínimo, burrice, eu acho. Sou bastante superficial lá, e quando é algo mais íntimo que quero compartilhar com amigos ou família é sempre inbox. Mas vc sabe, né, tem gente que adora se expor, se mostrar. Quando não estou num bom dia, nem entro. Não quero ver ninguém, nem virtualmente rsrs. Se bem que entro pouco mesmo, lá eu sou turista e não fico mais que 5 minutos.

      Obrigada querida amiga, sempre bom demais receber seu comentário!

      Um mega beijo pra vc! Boa noite, fique com Deus!

      Excluir
    4. SU, já tivemos oportunidades de conversarmos sobre o Facebook. Na real, o correto é deixar que as pessoas sejam livres para suas escolhas e ponto final. A intromissão - no meu caso que não pertenço a nenhuma rede - não é válida, pois se não pertenço, é óbvio que não a conheço nas suas entrelinhas. As pessoas tem necessidades diferentes, gostam de compartilhar muita coisa e isso vem desde o Orkut.
      Não faz muito tempo, uma conhecida perguntou-me o que faço num blog, para que tenho blog?

      Vi que saiu sem entender, mesmo porque se tenho é porque gosto. E não me gastei em mais explicações depois que vi que não era de seu interesse saber sobre blog.

      Então, é aí que levo isso ao Face: como não me interessa, não tenho mais nada a dizer sobre ele: nem de bom, nem de ruim. Muito pelo contrário: agora mais do que nunca, nada a dizer! Se algo tenho a dizer, é no meu blog que faço.

      Mesmo assim gostei de sua crônica, entendi bem, mas rede social não é a minha praia. Me sentiria um peixe fora d'água.

      Grande beijo, gostei dessa postagem, apesar de estar fora!

      Excluir
    5. Tais: visto que vc não aderiu ao Facebook, achei que nem comentaria esse post por não vivenciar as coisas se passam por lá, e por não ter interesse em aderir... Por isso mesmo, te agradeço por ter comentado! Valeu! De qualquer forma, tua opinião sobre ele já conheço há décadas rsrs.

      *Mas essa tua conhecida, hein... Se não se interessava por blogs, perguntou por quê? Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Bjobjo!!

      Excluir
  4. SU, esqueci e voltei: lendo o link 'aqui' no seu texto, constatei que desde aquela época tenho a mesma opinião. É necessário cuidados, sim, como em tudo na WEB, a vitrine do mundo. Mas entra quem quer e 'alertas' podem e devem ser falados, afinal são milhões de pessoas. Penso que tudo deve ser discutido, mostrar os prós e contras, mas não imposto. E cada um que faça suas escolhas, use as ferramentas disponíveis etc e tal. Uns avançam o sinal e podem se dar mal; outros são mais comedidos. É isso. Acho que seu texto é muito importante pelo alerta que deixa. E sobre isso já falamos dezenas de vezes.

    Beijãoooo.

    ResponderExcluir
  5. O pior do facebook Sueli é o tal do diário, ninguém merece ouvir - sem honorário algum - a terapia alheia. e como as pessoas revelam, facilmente, o caráter! Quando leio: "Aff, como estou cansada, preciso dormir", logo penso: essa não tem quem a ouça em casa, que tristeza ter que desabafar numa rede social, rsrs.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrsrsrs Verdade Néia!! Não havia pensado nisso... Parece mesmo que as pessoas que fazem um relatório diário no FB não têm quem as ouça em casa. Eu escolheria interagir com as paredes rsrsrsrs.

      Bjo grande! Adoro vc aqui!!!

      Excluir
  6. Oi Sueli. Gostei muito da abordagem, é uma questão que eu já havia comentado com outros colegas. Tenho a mesma postura que você e a Suzy diante das pessoas que se tornam insuportáveis. Não vejo razão para deixar que continuem me incomodando.
    Gosto bastante do facebook nesse sentido da facilidade das notícias, das curiosidades e também da aproximação de pessoas que nem sempre podemos ver. Mas, com certeza, há um conteúdo que roda por ali que é extremamente ridículo e deveria ser ainda mais rapidamente bloqueado. Pornografia, por exemplo, demora um tempinho até que seja detectada e bloqueada...
    Fiz o meu em 2009 e desde lá tenho todo o cuidado com minhas informações, que ficam bloqueadas, e também com o conteúdo que compartilho. Mas nem todas as pessoas têm essa prudencia de selecionar o conteúdo. Cada um cuida do seu facebook como quer, e ainda diz "o fb é meu, faço o que eu quiser", mas se esquecem do bom senso, que é sempre muito necessário.

    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, vc disse a palavra chave: bom senso!

      Temos que ter muito cuidado com o que compartilhamos com os amigos. Querendo ou não, nossa postura lá define o que somos na ‘vida real’. Adicionar os amigos e depois afastá-los com nossas chatices, nossas publicações ofensivas, etc., não me parece uma boa ideia.

      Quem diz ‘o FB é meu e eu posto o que quiser’ deveria ser deletado por todos e ficar sozinho. Viver em comunidade seja no FB, ou em qualquer outro lugar exige obrigatoriamente que pensemos coletivamente. Toda vez que publico alguma coisa, eu penso em cada um de meus amigos. Avalio se a minha publicação não irá incomodar algum deles.

      Bjobjo procê!! Brigadão! Comentário porreta de bom esse!!!

      Excluir
  7. Pois é Sueli, realmente no meu círculo do trabalho, e vizinhos, todos sabem da vida de todos através do face . Fica muito chato, porque, chegam perto de você e já vão jogando as noticias sem mesmo a própria pessoa contar, e todos não se dão conta da imensidão de exposição.

    Eu não tenho, algum tempo atrás cheguei até a fazer, mas, sai no mesmo dia, ou melhor, na mesma hora, sou um pouquinho bichinho do mato.

    Tenho Orkut, mas estou sozinha jogada as moscas, pois todos se mandaram para o tal face, kkkkkkkkk

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Dalva! Na era Facebook todo mundo sabe da vida de todo mundo. Ser criteriosa e discreta é o segredo. Podemos aproveitar só o lado bom e descartar o que nos incomoda. Se não tivesse as ferramentas de privacidade tbm já teria saído.

      Um beijo enorme, linda semana pra vc!!

      Excluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs