“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

11 de set de 2012

Louca por eles




Confesso que sou louca por sapatos, mas qual mulher não é?... Se há entre vocês alguma que não é que atire o primeiro scarpin. hehehe

Semana passada decidi organizar o meu closet pra ganhar mais espaço. Uma coisa surpreendente me aconteceu: passei a acreditar em vidas passadas. Sim, eu fui uma centopeia na outra encadernação!

Gennnnnnnnte, pra que tantos sapatos se só tenho 2 pés? Que neura é essa que me impede de parar de comprá-los?... A coisa é meio doida, não resisto à tentação de poder dar aquela cruzada de pernas e exibir uma sola novinha em folha.  E lustrosa. Aquele brilho e aquele cheirinho, hummm...  

Mas, voltando ao closet, depois de esvaziar a sapateira, eu puxei um banquinho, sentei-me, cruzei os braços e fiquei olhando para aquela montanha colorida, agora emergindo do chão. Concluí que essa era uma boa oportunidade para eu exercitar meu desapego à bens materiais e botar fora uns 20 pares.

...15... 10... 5, vai, esse é um bom número.

Minha filha, que não herdou de mim esse apego inútil por certas coisas, vive me dizendo: ‘o que você não usou durante 1 ano, não vai usar mais’.

Com isso em mente e cheia de coragem, peguei o primeiro par: uma sandália preta chiquetérrrrima, salto agulha e um passante furta-cor estonteante... Aaaaa essa não posso, usei na primeira formatura da Nic... foi um dia tão especial... Peguei o segundo: um scarpin vermelho... Poxa, esse é uma celebridade, retratei-o numa tela...

Guardei o vermelhinho, peguei um tamanco Anabela com uma plataforma tipo prédio de 5 andares, e botei no saco de lixo. Não que eu fosse jogar no lixo, era só um meio de transporte até a lavanderia. De lá seriam todos doados.

Um segundo depois, enfiei a mão no saco e depositei-o de volta à prateleira. Não me julguem antes de ouvirem os meus argumentos:

Sabe aqueles dias que você necessita estar mais alta, mas sem condições físicas pra encarar um salto 12?... Pois é, eu também sei. Por isso poupei meu tamancão.

O próximo foi um Jorge Alex, esplendoroso, todo fechadão com um zíper lateral. Verde. Mas, não um verde qualquer, um verde que passeia entre a bandeira e o abacate. Eu usei-o no teatro, na estreia de uma peça que não lembro o nome. E nem os atores. Depois usei no... na... Não importa, o que importa é que li numa revista que sapatos verdes voltarão à moda logo, logo... Vai voltar pra prateleira seu lindo!

Depois de reviver muitas festas, datas, danças, viagens, etecetera e tal, cheguei num Chanelzinho de camurça. Pretinho, basiquinho, salto 10 e cafoninha... Bem que eu poderia guardar só esse pra recordar aquela festa de casamento do...da... Isso foi quando mesmo?... Final da década de 80?... ou já era 90?...

Sempre fui péssima com datas. Acho que é por isso que guardo coisas como emblemas de momentos que pontuaram a minha vida. Guardo alguns sapatos antigos porque neles estão impressos os passos de minhas trajetórias... Nooosaaaaa, que lindo isso que acabei de escrever!!

Pena não ser verdade. A verdade é que sou mesmo louca por eles.

Horas depois dei por encerrada minha tarefa no closet. Levei para a lixeira um par de sandálias Havaianas com uma correia preta e outra azul. E não se fala mais nisso!

10 comentários:

  1. AMIGA!!
    rsrsrsr, mas começando com o sapato da foto... Credo! Não me imagino camihando com isso! Sueli, estou passando por essa crise, digamos existencial? rsrs Isso que você faz de botar no saco e tirar, acontece por aqui quase todos os dias! E pior: dou pra empregada, depois tiro! Como ela me conhece, fica rindo, sabe que volta pra ela. Foi fraqueza do momento! Mas penso que estou num campo diferente; nada de sapatos e roupas, o meu apego está nos livros, CDs, antiguidades e outras bobagens. Mas já me desfiz de muito, eu chegarei onde quero. Não sei quando!
    Seu texto está ótimo, vai direto na ferida de todos: o desapêgo. Que coisa, Sueli... Como é difícil, parece com isso que o material está acima de tudo. Sei bem essas suas lembranças que marcaram datas importantes. Mas na verdade, pra que servem? Ainda tenho algumas coisas de datas, penso em fazer algo diferente pra largar esses nhenhenhês que temos. Também sento defronte ao roupeiro e fico olhando, olhando... Peguei roupa de mais de 2 anos com etiqueta!
    Na verdade, isso causa até um desconforto, e é desse desconforto que quero me livrar. Quando conseguir, totalmente, vou lhe contar. Me aguarde, espero que não leve muito.
    Beleza de crônica, tocou num ponto que não deixa de ser sério, mas tocou com muito humor!
    beijão e meu carinho, sempre!
    Tais

    ResponderExcluir
  2. kkkkkk...
    Adoro suas crônicas, amiga!
    Beijinho e tudo de bom.

    PS: Respondi sua mensagem lá no FB, viu?

    ResponderExcluir
  3. Adorei!!
    Muitas coisas de nós mulheres não têm explicação. O meu marido não entende e diz que NUNCA vai entender como gostamos tanto de sapatos!!
    Eu adoro todos os meus e tenho dó de desapegar!! Não consigo. Tem alguns que até saíram de moda, mas como a moda volta! ........ já viu né... olha a desculpa! kkkkkkkk

    Adorei mesmo!!!!!!!!!!!!
    Bjão!

    ResponderExcluir
  4. Xaráááááá...! Somos iguaizinhas!!! Tenho até o tal do tamancão que me faz parecer ser uma mulher alta! Fiz a mesma coisa que você outro dia e não consegui doar nenhum!!! ... rs. Amo meus sapatos! Não conte para ninguém, mas nos últimos três meses comprei uns dez pares!...rs

    ResponderExcluir
  5. Sueli, você me faz rir tanto!

    Muito lindo o que você escreveu sobre os sapatos antigos nos quais estão impressos passos de sua trajetória, quase me comoveu aqui... até você confessar que não era verdade, a loucura era pelos sapatos mesmo! rsrsrs

    Não posso fugir a regra, também sou louca por sapatos.Mas, de verdade, pratico o desapego sem grandes problemas. Guardo aquilo que tem uma história e não o objeto por si mesmo. Penso, inclusive, que eu deveria ser mais apegada a certas coisas e lembranças palpáveis, pois atribuo tudo a mente e ao coração. E sabemos que com o passar dos anos a mente começa a falhar, portanto melhor seria guardar...

    Mas acho que isso é coisa de gente de espírito nômade como eu, não vale para a maioria das pessoas. Seja feliz com seus sapatos, minha amiga, e não se fala mais nisso! rsrsrs Beijão.

    ResponderExcluir
  6. OI SUELI!
    RSRSRSRSRSRSRSR.
    O QUE ACABAS D RELATAR É ALGO QUE TENHO CERTEZA, TODAS AS APAIXONADAS POR SAPATOS JÁ FIZERAM, EU INCLUSIVE.
    MAS, DEPOIS DE GUARDÁ-LOS TODOS NOVAMENTE NA PRATELEIRA, DEIXEI PASSAR ALGUNS DIAS E RESOLUTA, VOLTEI E NÃO É QUE DEU CERTO,SEM OLHAR MUITO, CONSEGUI, TIREI ALGUNS PARES DAQUELE UNIVERSO TÃO QUERIDO,MAS, MINHA ALEGRIA É QUE JÁ OS ESQUECI E DEI ESPAÇO PARA ALGUNS PARES NOVOS.
    TENTA, QUEM SABE ESTA TÉCNICA FUNCIONE CONTIGO TAMBÉM.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  7. Beleza de crônica, lindíssima , leve mesmo sendo real, rs,rs

    Eu amo sapatos, mas aprendi desde cedo que o meu amor maior tem que ser por aqueles que me carregam os meus pés, rs,rs.
    Sempre olho e desejo aquelesapato lindo mega alto, tudo de bom aí quando pego percebo que é "duro" e chiquerrimo para as "outras" verem mas me tortura, rs,rs.
    Aprendi desde cedo a ama-los e a namora-los platonicamente e sendo assim tenho só o que me dá conforto e uns "5" pares confortáveis que estão lá ainda nas caixas, rs,rs

    Bjos querida é sempre delicioso visitar seu espaço.

    Com carinho, Bella

    ResponderExcluir

  8. (rsrsrsrsrsrs).

    Ontem e hoje tentei fazer este exercício de desapego com as roupas. Assim como você adora sapatos, sou fissurada em roupas e acessórios.
    Seguindo aquela ideia de que se você não usou em um ano não usará mais, tentei selecionar algumas para doação. Que dificuldade, meu Deus!
    A impressão que eu tinha era de que iria precisar delas depois. Para que tanta roupa se nem tenho saído como antes? Sei não!
    Consegui tirar algumas coisas, mas nada comparado com o planejado (rsrs).
    Vou continuar exercitando. Quem sabe na próxima arrumação eu já esteja mais liberta a ponto de entender que o excesso somente dá trabalho.

    Amei sua crônica. É o retrato da maioria das mulheres.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Oi Sueli!
    Vim conhecer seus blogs e adorei! Você escreve com uma desenvoltura maravilhosa.
    rsss Esta sua crônica é excelente!rss
    Adorooo sapatos, mas assim como compro me desfaço, sigo religiosamente esta máxima do não usou por um ano passe para frente e quando fico diante de um armário o estrago é grande.rss
    Seja bem vinda ao meu blog!
    Beijinhos e um ótimo fds!

    ResponderExcluir
  10. Minha amiga mais uma crónica brilhante que retrata muitas de nós. Quando penso fazer arrumações também me acontece a mesma coisa.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs