“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

12 de jan de 2011

É proibido proibir


Quem de vocês moram em condomínio?... Eu moro.
É bom, não é mesmo?... Segurança nota dez, vivemos cercados de pessoas do mesmo nível cultural/sócio/econômico e não nos sentimos um peixe fora d’água.Tudo parece perfeito...
Mas nem tanto!

Todos nós, quando decidimos ir morar em um condomínio, seja ele vertical ou horizontal, devemos estar cientes que vamos dividir espaços. E dividir espaços com um bando de gente desconhecida não é fácil. As opiniões divergem, é um bate-boca sem fim, e, se por ventura, você não pôde comparecer àquela assembléia extraordinária, os que compareceram decidirão por você.
E não adianta reclamar depois.

Foi isso que aconteceu aqui no condomínio onde eu moro. Eu até me considero uma pessoa tolerante, me relaciono bem com meus vizinhos e não saio por aí comprando briga por qualquer motivo banal. Ando mais na fase de plantar a paz entre os homens.

Até entro numa enrascada ou outra, mas nada que não se possa contornar sem prejuízos mútuos. E prejuízo, aquele bem literal ($$$$$$) é coisa séria, ninguém gosta de se sentir lesado, enganado, passar por idiota. É desse prejuízo que quero falar.

Tá na moda aqui por essas bandas a tal da multa: multa do lixo, multa do jardim mal cuidado, multa do carro estacionado na calçada, e por aí vai... Todo mundo sabe (mas finge que não sabe) que isso nada mais é do que uma manobra que arranjaram para angariar fundos e tapar o rombo da administração anterior.

Eu, de minha parte, seguia fingindo também, até porque não compareci a tal assembléia da multa. Decidimos, meu marido e eu, que não participaríamos mais das assembléias onde ninguém se entende, e que se tivéssemos que brigar, que seria na justiça. Mas tudo tem um limite. Até a minha paciência.

Poucos dias depois da tal assembléia eles distribuíram placas por toda parte, de fato não conseguimos andar cem metros sem tropeçar numa delas. E todas começam com a palavra “proibido” e finalizam com a frase “sob pena de ser multado”.
A mais engraçada é a placa de "proibido alimentar os animais silvestres"... Vai dizer isso aos macacos!
Ou, ensinem eles a ler.

Outro dia recebi a multa do cão solto. Entre outras baboseiras, estava escrito: “... por colocar em situação de risco a vida dos condôminos e teretetê, teretetê, teretetê”... e lá embaixo, em negrito, o valor da multa: R$98,00.

Ah, sim, foi o Bernardo – o meu cão – que fugiu para dar uma voltinha. E eu pergunto: qual o risco? Ele só pesa 1,300kg!!!

Já fui multada algumas vezes por excesso de velocidade, mas devo esclarecer que concordo com o limite imposto que é de 30km/h. O que eu não concordo é com o nosso radar: o olhômetro do "severino" fofoqueiro da segurança. O que ele quer é ver o circo pegar fogo!

Piadas à parte, a multa do cão solto esgotou a minha paciência e resolvi me vingar. Só tinha que esperar o momento certo. Ele veio mais rápido do que eu imaginava.

Minha casa é a última de uma rua sem saída, depois tem uma área de reserva de mata que se estende até o final da rua onde há um retorno. Mas quem retorna lá no final da rua? Ninguém! Todos acham penoso andar mais alguns metros e retornam aqui mesmo, na entrada da minha garagem, esmagando meu gramado. Os mais barbeiros destroem meu jardim.

Eu vinha tolerando isso calada desde que moro aqui, até que no mês passado um caminhão basculante carregado até os tufos despejou uma avalanche de terra no meu jardim, sufocando minhas Marias-sem-vergonha.

Claro, tomei as dores delas, mas tive uma atitude descente: fiz uma reclamação por escrito à administração e dias depois recebi um email frio, impessoal, cheio de formalidade como resposta. Em outras palavras sugeriram que “eu me entendesse com a empresa que cometeu a infração”.

Meu primeiro impulso foi responder que “a empresa” se resume ao motorista do caminhão, e só! Mas me contive. Mandei fazer a minha placa particular e plantei bem fundo no meu jardim: PROIBIDO RETORNAR NESSE LOCAL – SOB PENA DE LEVAR UM TIRO.

Não deu outra: Fui multada!
Motivo: Ameaça aos condôminos.

Pelo menos mandei o meu recado.

21 comentários:

  1. Meu Deus....RSRSRSRS desculpe mas tive de rir mesmo....Que maravilha de texto e
    que horrível conteudo....Cá por Portugal
    ainda não ouvi essa das multas...
    Mas há gente que não foi feita para
    viver em sociedade.
    Um Beijo

    ResponderExcluir
  2. Eu não de gosto de condomínio porque quase sempre eles são abusivos.
    Existe algo mais difícil (e delicioso) do que viver em sociedade? Tô pra ver?

    Vou seguir-te!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  3. Menina, que coisa mais louca essas multas! Mas essa do cahorro solto foi demais!! Rsrsrs.
    Teu recado, óbvio que iria ser multado, mas que importa? Aposto que ninguém mais vai retornar ali. Às vezes a gente tem mesmo que sair da casinha, rsrs.
    Bjssssssss

    ResponderExcluir
  4. kkkkkkkkk, 'SOB PENA DE LEVAR UM TIRO!' Essa me lembrou o macaco Simão, no programa do Boechat, em que ele tem um quadro do 'Gervásio'... Sempre tem uma saída mortal.

    Olha, reuniões de condomínio resolvemos não participar, também. Ou eu mataria alguém ou sairia morta! kkk É muita briga, muita farofa pra resolver NADA!

    Menina, escrevemos sobre condomínio, mas sobre pontos diferentes. E ainda sobra lugar para alguém escrever sobre outros pontos. É um assunto interminável.

    Veja bem; se você mora num condomínio, com animais que vêm à sua janela - caso dos macaquinhos a pedir comida -, como negar? Mas nunca! Eu alimentaria toda a mata, kkk.

    Su, sua vida dá um livro, ainda mais da maneira que você conta. Eu gostaria de ser sua vizinha!!

    beijos, amiga!
    Tais luso

    ResponderExcluir
  5. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?

    O Fanzine Episódio Cultural é uma publicação bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte e Salvador-BA. Para participar basta mandar um artigo: poema, um conto que não ultrapasse 1 folha inteira no word (Times Roman 12). Pode mandar também artigos que abordem: cinema, teatro, esporte, moda, saúde, comportamento, curiosidades, folclore, turismo, biografias, sinopses de livros, dicas
    de sites, institutos culturais, entre outros.

    PROCEDIMENTO:

    Mande em anexo uma foto pessoal para que seja publicada juntamente com a sua matéria.. Mande também (se desejar) uma imagem correspondente ao assunto abordado. Caso o artigo não seja de sua autoria, favor informar a fonte.

    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor) ligue:
    (35) 3295-6106
    (35) 8833-9255
    machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Sueli,
    que texto divertido!!!!!!!adorei a placa, mas a direção deste condomínio é INSANA!!!!!!!!que tristeza ter que conviver assim...Ainda bem que vc consegue levar no bom humor!!!!pena que os outros não entenderam nada...
    abs minha amiga,

    ResponderExcluir
  7. Ah, Sueli! hahahaha! Sabe do que você me lembrou? Eu não perco um dia sequer a participação do José Simão no jornalismo da Bandnews de manhã. Ele tem um quadro que se chama " o brasileiro é cordial", onde exemplifica com placas feito essa que você colocou. hahahaha! Eu estou tentando a todo custo não ter que me mudar para um prédio. Não que eu não seja sociável mas a família de minha mulher inteirinha é indócil. Eles são militares que moravam a vida toda em vilas militares e lá, em vez de multa, tinha hierarquia. O sujeiro que tem mais patente é quem manda. Então , depois que saíriam , continuaram com a síndrome da patente. E eu também estou como você, procurando paz interior e exterior. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Cacá, a Tais também citou esse programa. Agora todos vão achar que eu plagiei o tal Simão rsrsrs.

    Mas eu nunca ouvi. A Tais já havia me falado nele em certa ocasião. Será que ele mora aqui? Rsrs. Vou passar a ouvi-lo...

    ResponderExcluir
  9. Pra mim, é o melhor humorista que temos hoje no Brasil. Não faz apelos a baixarias nem a mediocridades. Todos os dias na 89,5 Band News Às 8,40 da manhã, junto com o Ricardo Boechat, imperdível. Abração.

    ResponderExcluir
  10. Su, o Cacá também assiste o Simão, ele explicou com mais detalhes sobre o programa. É no Boechat, já levanto rindo... Piada com ele é em cima do minuto, do segundo!E o quadro é o brasileiro é cordial, rsrs.

    bjs

    ResponderExcluir
  11. Eu a entendo muito bem, minha amiga. Também moro em condomínio e acho esse negócio de multa muito ridículo. Uma vez recebi uma multa porque meu filho falou alto após as 23 horas, no pátio. Escrevi uma carta à síndica multando o condomínio por causa dos porteiros e seguranças que falavam algo a noite inteira bem debaixo de minha janela. Não recebi a multa, é claro, mas também fui liberada de pagar. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  12. Oi Sueli!
    Eu não durava uma semana morando aí. Veja a incoerência: levar multa por ameaçar os outros? Fico imaginando outro lugar, o sujeito descendo o braço na mulher. Vem a polícia e multa o fulano por ameaçar a vida de outra pessoa... Entendi a ironia da sua placa (afinal ninguém multou aqueles que destruiram o seu jardim) mas não entendo a ironia da administração do condomínio, deve haver um limite previsto em lei pra essas convenções particulares tipo regulamento de condomínio. Em todo o caso, compre mais munição, pra levar junto com o "berro" na próxima assembléia... :)
    Abção,
    Adh

    ResponderExcluir
  13. rsrsrrssr Você fez isso mesmo? rsrrsrs As vezes dá uma vontade de mandar pintar uma placa mais ou menos parecida!
    Eu moro num condominio vertical. Mas tem tantos blocos de apartamento que é quase horizontal também...
    Já tive problemas com coisas como a antena da TV, que um dia um funcionário de uma empresa simlesmente quebrou a fim de consertar um vazamento no telhado do meu bloco. Mais eu fui lá e fotografei os danos. Em resumo, pagaram uma antena nova e eles mesmo instalaram.
    Mas condomínio é assim mesmo. Mas felizmente meus vizinhos são ótimos e, em quatro anos, nunca tive nenhum problema de convivência. A moça do apartamento do cima anda, irritantemente, com o sapato de salto às sete da manhã e me acorda. Acho que vou deixar uma placa na porta dela. 'PROIBIDO ANDAR DE SALTINHO DENTRO DO APARTAMENTO - QUE SE NÃO LEVA CHUMBO".
    Mas tirando isso que é uma coisa pequena demais. Pelo menos com os vizinhos mais próximos eu não tenho problemas.
    Ótimo post...
    Um beijo
    e um belo final de semana!

    ResponderExcluir
  14. Sueli, você e a Taís escrevem muito bem - escrevem com o coração!
    Eu já fui síndico de um edifício e hoje, graças a Deus, moro numa casa situada perto da praia e sem condomínio...
    Talvez um dia eu conte algumas histórias hilárias sobre o tema.
    Mas depois que vocês duas escreveram acho melhor eu ir pintar...
    Um abraço, e obrigado pelos comentários tão estimulantes.

    ResponderExcluir
  15. Sempre leio seu comentario nos blogs e acho vc tão elegante, então hoje resolvi te visitar.

    Vou confessar estou morrendo de rir da sua raiva, kkkk gente eu odeio condomínios.

    Imaginei vc toda linda; saindo na vassourada contra os olheiros de plantão.

    É um texto real que provoca risos,mas é triste,triste a condição de prisioneiros que muitos tem de se submeter para "viver um pouco mais em segurança".

    Abraços,adorei , voltarei.

    Feliz final de semana.
    bjs

    ResponderExcluir
  16. SUELI,

    sou seu mais novo seguidor.

    Achei o seu texto/protesto mais educado do que os alunos do fislósofo grego Sócrates e mais amigável que os componentes dos computadores de última geração.

    Tanto sua conduta no condomínio, como seu texto no blog, mostram que as damas ainda existem.

    Sueli, sempre escrevi textos de humor e acho que esta é uma forma de fugir destas palhaçadas do cotidiano humano.

    Depois esta cambada de aproveitadores criticam - como se fossem seguidores da Madre Tereza de Calcutá - as mutretas dos políticos em Brasília!

    Também moro num condomínio de casas, no qual você nunca vê ninguém na rua, no entanto elas sempre estão atrás das cortinas das janelas ou se comunicando uma com as outras por telefone, pois apesar de ninguém se ver, todo mundo sabe de absolutamnte, tudo o que acontece de dia, noite ou madrugada , por aqui.

    É uma rede de espionagem e fofoca de fazer inveja aos homens de assuntos estratégicos do governo, da Cia ou do escambau!!!

    Os carros tem os vidros absolutamente negros, sendo impossível a não ser por analogia, saber quem os dirige.

    O Rio de Janeiro, apesar de ter o povo mais feliz do mundo, abriga um condomínio que a preimra vista, seria só de reis egipcios, dentro dos seus sarcófagos.

    São poucas casas, mas eu penso que se tivesse mais uma meia dúzia, a prefeitura iria interditá-lo por execsso de insalubridade social.

    Terrível!!! (rs).

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde.
    Adorei seu texto, detestei o Severino, amei a sua placa, e parabéns por escrever dessa forma.

    Menina, eu ri demais!! Muito obrigada pelas gargalhadas.

    Parecia que eu estava assistindo um monólogo representado pela melhor atriz. Bravo!!

    Nossa... O teatro não sabe o que está perdendo.

    Um grande abraço.

    Estou lhe seguindo. (Maria) Amapola.

    ResponderExcluir
  18. Uia, fala sério, mas por que este pessoal é tão rancoroso para usar tantas multas?!

    Fique com Deus, menina M. Sueli Gallaci.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  19. kkkkkk Adorei , faria a mesma coisa

    ResponderExcluir
  20. Sueli, não consigo parar de ler suas histórias! São muito engraçadas do jeito que você as conta! Essa do "sob pena de levar um tiro" quase me matou de rir, quanta criatividade! Se bem que nessa situação, que mais se vai fazer?! Espero que você tenha conseguido chegar a um consenso com a administração do condomínio, minimizando os prejuízos, pois já que tem placa para todo lado, por que você não pode ter a sua personalizada? E quanta personalidade, hein! rsrsrsrs

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs