“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

4 de out de 2012

Felicidade ao alcance de todos?




Ao que tudo indica, ela é facinha, facinha de encontrar. Essa tal felicidade.

Quando leio meus emails, entro nas redes sociais, vejo diariamente pessoas bem intencionadas me indicando o caminho. Não tem erro, é só seguir os conselhos, que mais parecem setas vermelhas apontando a direção.  Tão pertinho de mim ela parece estar, que me sinto uma idiota por não vê-la. Pelo menos da maneira que a descrevem.

O que vejo, entretanto, e quase sempre na sequência, são rostos de mães desesperadas procurando pelos seus filhos desaparecidos: ‘Se fosse seu filho você se importaria’ - essa é a mensagem forte e verdadeira que se segue.

Vejo a cara repugnante de algum delinquente que dilacerou um animal ainda em vida por pura diversão. Vejo o bêbado que afogou suas mágoas e botou um ponto final na possível felicidade de uma família inteira! Vejo a luta dos professores por melhores salários. Vejo o desabafo sofrido de gente indignada com a falta de moral e ética dos políticos brasileiros.

Então, é inevitável a pergunta: será mesmo que eu conseguiria beber de tanta felicidade no meio desse lamaçal?... Será que me sentiria confortável com tanto privilégio?

Não, não sou pessimista. Quem me conhece sabe disso. Sabe que me esforço num exercício diário de otimismo.  Não gosto de ver desgraças nos noticiários sensacionalistas, basta-me saber que elas existem para me situar no meu tempo. Evito tudo que venha a roubar minhas três aliadas: a fé, a esperança e a alegria.

Mas a alegria que sinto difere em muito da felicidade que tentam me vender. Ela tem começo e tem fim. E recomeço... Tem grau de intensidade e se intercala com apreensões, medos, anseios, frustrações e revoltas. Tem motivos reais e não brota de delírios. Minha alegria é como a mim mesma: tem os pés bem plantados no chão. Tem consciência (e presciência) de que dias piores virão. E é bom que seja assim, até pela sua própria sobrevivência. O que seria de uma alegriazinha momentânea diante de uma felicidade eterna?... Nem se faria notar!

Minha alegria é feita sobmedida pra mim. Não é do tipo que explode o peito, mas acaricia.

Portanto, de nada me vale essa oferta da Felicidade Maiúscula, que apesar de atraente, não me convence. Não posso comprá-la, pois ainda não tenho a moeda de troca. E eu duvido que alguém tenha. Não compro essa ideia, e nem me deixo iludir por ela e sabem por quê? Ela simplesmente não está disponível ainda. Por enquanto é tão somente uma promessa vindoura... Que mania que esse povo tem de apressar as coisas!

23 comentários:

  1. Querida SU, que felicidade é essa que tentam nos vender?
    Todos tem um passo-a-passo a dar para se alcançar a tal felicidade, como se fosse tamanho único! E mais: livros de auto-ajuda prometendo mil maneiras de ganhar dinheiro e de ser estupidamente feliz!

    A felicidade que falam é aquela felicidade que brota dos sofrimento dos animais, e a outra que brota do sofrimento das pessoas? Não sei qual o motivo de tanta alegria em tocar fogo em mendigos, torturar animais, sequestrar, matar, ser desonesto e colecionar dinheiro... Mas que tem gente que adora, ah tem! Sim, falei certo, falei 'gente'.

    Não entendo essa felicidade imensa que todos almejam. A vida não dá pra tanto! Essa procura exagerada pela felicidade só faz muita gente tombar. Não existe tanta felicidade. O que existe são períodos alternados de um bem estar intenso com períodos não tão agudos. Ou de tristeza, que aliás, é o que mais existe. Estamos em 7 bilhões de criaturas nesse planeta. Onde estão? Quais são os países de maior população? Serão eles muito felizes com a vida que levam?

    E amiga, só o fato de sabermos que existe em tudo uma finitude, já é o bastante para não vivermos explodindo de tanta felicidade!

    Belo texto!!
    beijos, meu carinho
    Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga!

      Vc disse tudo, e como sempre, com muita sabedoria!
      "A vida não dá pra tanto", e não dá mesmo... A finitude explícita em todas as coisas desmente toda e qualquer teoria dessa tal felicidade plena.

      Beijinhos.

      Excluir
  2. Sueli sábias e belas palavras ...só um belo coração como o seu é capaz de tão bem expressa-las ...parabéns ...com todo meu carinho Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amigo, pelas palavras, pelo comentário.

      Um grande abraço, linda semana.

      Excluir
  3. O que posso dizer, se o significado de felicidade ou a forma em que para mim foi moldada,possui outros valores, se diverge totalmente dos modelos atuais. O que vejo hoje é um desespero total, pessoas felizes no vazio,não sei não. Parece-me que desaprenderam a cultivar a vida em todos os sentidos, se jogam com tudo em cima de tudo que possa explodir, ou na mídia ou literalmente, visto o retorno que se tem no aprendizado desses dias em que tudo se resolve com violência, egoísmo, falta de edução.O culto ao corpo, como se apenas necessitassem da moldagem externa para serem felizes. O ter sobrepondo-se ao ser.
    Acredito que ninguém consiga ser totalmente feliz presenciando tanta infelicidade. Meu filho sempre me diz que queria ter nascido em outra geração.
    Grande abraço Sueli
    Gostei muito,
    Estou Sempre aprendo um pouco mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábias palavras Lourdinha!

      "pessoas felizes no vazio" Perfeito!!! É exatamente isso que vejo: pessoas demonstrando uma felicidade exagerada, imaginária; transcritas em belos textos. Um surrealismo vivido em sonhos, ilusão.

      Beijinhos.

      Excluir
  4. Vengo del blog de vanuzamatagal y me ha encantado tu Rincón; por lo cual, si me lo permites, me hago seguidor de tan bello Espacio, lleno de Magia, Sentimientos y Sensaciones.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  5. Uma atitude feliz:
    Visitar esta página, ela é tão repleta de textos emocionantes que brota naturalmente a "tal" felicidade.

    Bem como há tempo para todas as coisas, tem tempo para a felicidade e ela também é digamos "reversa", o que pode me deixar feliz pode te entristecer.

    De certo mesmo é sabermos que não temos a obrigação de estarmos felizes todos os dias, que temos o direito a entristecer, a refletir, a chorar e a voltar a sorrir.

    Tenha um bom final de semana.

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bella, minha linda!

      Ameeei isso que escreveu: não temos a obrigação de estarmos felizes o tempo todo, e que entristecer é tbm um direito, como o é a felicidade.

      Beijinhos, brigadão pelo seu comentários!

      Excluir
  6. Olá, Sueli,

    Penso que só começamos a entender o sentido da felicidade com o passar do tempo, com o viver o tempo, na verdade. Bom que assim seja, também creio, porque um jovem que não caminhasse ou corresse atrás de sua felicidade - tivesse ela a forma que tivesse - seria muito estranho!
    Ao viver o tempo, apreciamos a felicidade nas gotas que recebemos e, aí, nos damos conta de que somos felizes e muito! Entristecer-se ou encafifar-se com a miséria alheia não significa considerar-se infeliz. Estar com um aspecto da vida desarrumada, também não. São apenas circunstâncias, julgo, que nos ensinam ser a felicidade coisa vasta, esparsa, diária e dependente do julgamento e necessidade de cada um.
    Felicidade é pessoal e intransferível!
    Bjssssssss, quérida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente com suas palavras, Brechique!

      Felicidade é um sentimento relativo e circunstancial... Para alguns felicidade é passar a primavera em Paris, para outros é ter um prato de feijão com arroz à mesa para matar a fome...

      Mas, no meu texto refiro-me ao 'modelo' de felicidade que tentam nos enfiar goela abaixo, insistentemente! Uma overdose de otimismo com um brilho falso, que vejo nos blogs, nas redes sociais, emails etc. Recebo a mesma mensagem 200 vezes por semana. Tudo muito lindo, perfeito. Na teoria. Como disse minha amiga Taís, é a felicidade tamanho único que cabe em qualquer um. Nessa não acredito, e, perdoe-me a expressão, já ando de saco cheio!

      Considero-me uma pessoa feliz, sim, dentro dos padrões da normalidade. Atualmente estou vivendo um momento mágico, único e de grande alegria! Com todos os motivos para celebrar a vida. Entretanto, isso não ofusca minha visão, não anula o meu pesar pelas coisas tristes ao meu redor. Mesmo que todas as causas da infelicidade sejam eliminadas, ainda teremos a doença, a velhice e a morte nos impedindo de alcançar essa felicidade que nos propõem. Essa só existe mesmo nos textos bem elaborados que circulam pela internet.


      Obrigada querida pelo seu comentário.
      Beijinhos.

      Excluir
  7. Este pensador, viageiro entre Sois
    Esta Ave pousada em mil embarcações
    Este barco que passa sem vela ou remo
    Esta arca repleta de vibrantes emoções

    Esta mestiça flor de açafrão
    Este ramo de espinhos cravados na mão
    Esta alma que não ousa largar opinião
    Este homem vestido de solidão

    Ouvi um som profundo e breve
    Vindo de uma perdida lembrança
    Toquei de leve os trincos da memória
    E senti o golpe frio de uma afiada lança

    Boa semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  8. Sueli,

    Eu amei seu texto inteiro! Mas vou me deter em alguns pontos que, em minha opinião, foram sensacionais!

    "Ela (a felicidade) tem começo e tem fim. E recomeço..." Perfeito, amiga! Se não for assim, se for pintada muito colorida e muito fantástica, duvido que seja real! Felicidade não se vende em frasco, não é um elixir que você toma e a vida subitamente ganha tons coloridos... Ela é real, vem e vai, "não é do tipo que explode o peito, mas acaricia". Entendo bem sua descrição de felicidade, pois sinto e vejo de maneira muito parecida.

    E assim, enquanto alguns mascaradamente tentam vender uma ilusão, vou vivendo dias intercalados de alegrias e tristezas e, sinceramente, penso que da administração disso tudo é que está o que podemos de fato chamar de felicidade, pois feliz, para mim, é a pessoa que consegue administrar-se e seguir remando, ainda que por momentos ande em círculos, em qualquer correnteza.

    Texto maravilhoso, muito bem escrito e muito bem pensado! Amei! Deixo um beijão pra você, que é puro talento em tudo que faz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fantástico Suzy!!! 'A felicidade como um elixir'. É exatamente assim que nos tem sido apresentada. Toda essa maratona em busca dessa felicidade fabricada pela mídia parte de uma profunda frustração de não se enquadrar. As pessoas perderam o real sentido e a buscam na superficialidade.

      Tanta felicidade ‘na vitrine’, e o mais engraçado é que as agendas dos psiquiatras estão cada vez mais lotadas. Nunca se falou tanto em depressão, síndrome do pânico, bipolaridade e etc... Serão doenças desencadeadas por excesso de felicidade?... Ou pela busca alucinada?

      Bem, de minha parte, me sinto feliz só em saber que o ‘estar feliz’ sempre se repete.

      Obrigada, amiga, pelas palavras de carinho. Amei o seu comentário.

      Beijo enorme.

      Excluir
  9. Essa tal felicidade! Existe algo mais complexo e ao mesmo tempo tão simples? São os valores que cada um cultiva que faz esse objetivo se tornar fácil ou difícil de se alcançar.
    Suely, seu texto é brilhante e absolutamente realista, amei!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida amiga!
      Seu comentário de uma lucidez ímpar, como sempre.

      Bjo.

      Excluir
  10. Excelente texto.Preciso e sem enfeites desnecessarios.Tambem não acredito na felicidade perene aqui na Terra. O que temos são momentos felizes que logo passam como tudo o mais vem e vai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito Sig!

      Podemos ter relativa felicidade se mantermos o foco no lado positivo dos acontecimentos.
      Por exemplo: felicidade pra mim nesse momento é ter o privilégio de estar com o meu netinho passando uns dias aqui comigo... Estou focada nos momentos de ternura e não na falta de tempo para minhas coisas, no trabalho que é cuidar de uma criança.

      Grande abraço e obrigada!

      Excluir
  11. Excelente texto. Preciso, sem enfeites e disse tudo. Não acredito tambem na felicidade perene aqui na Terra. O que temos são momentos felizes que logo passam como tudo mais que vem e vai.

    ResponderExcluir
  12. Olá Suely,que texto lindo e reflexivo.Nós estamos sempre atrás da "tal felicidade", mas a chave para ela está dentro de nós.Como é difícil manter a felicidade,pois ela está conosco quando a descobrimos nas pequenas coisas.Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É vero amiga!

      É preciso sabedoria pra extrair a felicidade dos pequenos momentos. Exercitar nossa positividade no dia a dia. Não precisamos ir tão longe, tudo mais é ilusão e superficialidade.

      Grande bjo, obrigada!

      Excluir
  13. Excelente texto, Sueli. Eis que a felicidade é isso mesmo. Ela é mais concreta do que parece. Ela não vaga por aí esperando que você a encontre quando ler o texto bonitinho da rede social e nem provém das palavras fofinhas desses textos. Ela vive em você e coexiste (ou intercala, como você disse) com o medo, a tristeza e outros sentimentos. Adorei o que você diz sobre beber de tanta felicidade em meio a coisas ruins.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Sueli a felicidade está ao alcançe de todos nós, ela encontra-se nas pequenas, "Grandes" coisas do nosso dia-a-dia, só que muitas vezes estamos tão ocupados a ver e a pensar nas agruras da vida, que não damos conta que a felicidade está naquele momento ao nosso lado. Excelente texto!
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs