“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

30 de jan de 2013

SANTA MARIA – Tragédia predestinada?




No domingo passado eu acordei especialmente feliz. Algo delicioso aconteceria naquela tarde após o almoço.

Os domingos na minha casa são sempre muito alegres, pois é dia de reunirmos os filhos, nora, genros e netos. Enquanto eu e meu marido preparamos o almoço eu sempre abro um vinhozinho para o 'esquenta'. Coloco uma música, a conversa rola solta, os risos ecoam alto pela casa... Tudo bem barulhento como bons descendentes de italianos que somos.

Logo todos começariam a chegar, menos a minha filha caçula e o noivo que estão em férias nos Estados Unidos. Eles tinham trocado alianças de noivado no sábado em Las Vegas, numa festa surpresa preparada pelo namorado. À noite voariam para Nova York. Tínhamos preparado uma surpresa para eles: iríamos chamá-los pela webcam,  e todos nós juntos festejaríamos o noivado deles. Eu havia comprado dias antes, vuvuzelas, confete, língua de sogra e tiaras engraçadas para todos.  Ao lembrar-me disso deixei escapar um sorriso imaginado como seria engraçado...

Foi então que meu marido ligou a TV. Tudo de repente ficou pequeno, insignificante. Minha alegria, sem sentido, deslocada, imprópria, fútil, sei lá... Meu sorriso morreu, meus olhos se fecharam involuntariamente numa profunda tristeza. Senti vontade de fechar todas as janelas que tinha acabado de abrir. Pensei nos familiares, em especial nas mães que chorariam pelos seus filhos mortos sabe Deus por quanto tempo...

Num impulso saí da frente da TV e fui ligar para minha filha que está distante de mim. Falei da nevasca em Nova York, do surto de gripe entre os brasileiros e outras coisas. Fiz mil e uma recomendações. Ela me perguntou por que estava repetindo as mesmas coisas que já havia dito no dia anterior. Respondi simplesmente que coisas ruins podem ser evitadas, mas não disse nada sobre a tragédia. Mais tarde quando voltamos a falar pela webcam, ela me disse: “você me disse aquelas coisas por causa do que aconteceu na boate em Santa Maria, não foi?”... A notícia já havia se espalhado pelo mundo todo.

O resto do domingo seguiu silencioso, sem música, sem festa ou comemorações. Havia sol, mas nossos corações estavam nublados. À noite entrei no Facebook e vi inúmeras mensagens de solidariedade aos familiares das vítimas. Algumas me comoveram, muitas me causaram espanto.

Quem em plena consciência escreve uma frase do tipo “Chegou a hora deles”?... Quem pode escrever numa rede social a frase “Deus quis assim, chamou-os por que precisava deles no céu”?...  Com que ‘autoridade’ atribuem a Deus tamanha culpa?... Com que respaldo?

O pior é que não eram publicações bobinhas de adolescentes, eram frases escritas por pessoas intelectualizadas, que fazem questão de mostrar constantemente o quanto são inteligentes.  


Bem, se chegou a hora daqueles jovens, presumo que não há culpados pela tragédia. Além de Deus, naturalmente, que os predestinou à triste morte prematura. Nesse caso, a tragédia jamais poderia  ter sido evitada. De nada adiantaria o poder público não ser tão negligente na fiscalização das normas de segurança em casas de shows. De nada adiantaria o alvará da boate estar atualizado. De nada adiantaria a banda não ter feito uma apresentação pirotécnica num lugar fechado com mais de mil pessoas debaixo de um teto de espuma... De nada adiantaria aqueles jovens não terem ido para a balada naquela noite, pois a morte os caçaria onde quer que estivessem...

De nada adianta, portanto, as leis de trânsito e a recente lei seca. Pura perda de tempo, segundo essas pessoas. Nunca atinaram que nos países onde se obedecem mais as leis de trânsito, o índice de mortalidade em acidentes automobilísticos é menor.  

Cabe, então, aos que acreditam que a tragédia de Santa Maria não estava predestinada, exigir providencias das autoridades e punição para os culpados. Os outros que cruzem os braços em suas cegueiras.

E se quisermos escrever mensagens de consolo aos familiares daqueles jovens, façamos direito. Podemos, por exemplo, começar com uma frase dita por um sábio há milhares de anos: “O tempo e o IMPREVISTO sobrevém a todos”.

Sim. Somos vítimas do imprevisto, aquilo que não somos capazes de prever. Mas que na maioria das vezes, pode ser evitado.

13 comentários:

  1. Querida Sueli, acho que você sabe que Santa Maria é a "minha" cidade, não a natal, mas a escolhida de meu coração desde que lá estive pela primeira vez, para fazer meu primeiro vestibular. Foi amor à primeira vista, decidi que Santa Maria seria meu lar, o lugar para onde vou sempre me alegrar em voltar, e assim é. Ver toda essa tristeza que se abateu sobre Santa Maria me deixa assim como estou, sem coragem sequer para escrever sobre o assunto em meu blog. Escolhi o silêncio, pelo menos por enquanto. Não perdi nenhum amigo próximo, mas foram muitos amigos de meu irmão, de meus primos, de meus amigos; filhos de amigas, jovens recém aprovados no vestibular... Um deles, inclusive, natural da mesma vilinha lá do interior onde nasci e fui criada, a mãe dele foi uma de minhas incentivadoras quando parti para a universidade... Agora, quando chegou sua vez de viver as alegrias de ver o filho graduado e formado, o sonho lhe foi roubado ainda no início! Difícil demais pra mim falar sobre tudo isso, ver meu berço de felicidade repleto em lágrimas. De fato, o tempo e o imprevisto sobrevém a todos e tolo é quem culpa Deus ou credita a ele o resultado da inconsequência humana.

    Obrigada por ter falado por mim, neste momento em que me faltam as palavras. Seu texto foi EXATO! E de uma sensatez que não me surpreende, pois já conheço bem a mulher sóbria que está por trás dessas sábias palavras. Um abraço bem apertado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, minha linda, eu sei sim do seu amor por aquela cidade. Imagino o quanto ficou consternada com tudo que aconteceu. Deve ter sido muito difícil pra vc acompanhar a cobertura na mídia.

      Eu nunca estive em Santa Maria, mas jamais irei esquecê-la de agora em diante. Fiquei tão triste, amiga, e ainda estou. Coloquei-me no lugar daquelas mães, meu coração sangrou. Queria poder abraçá-las todas, uma a uma. Dizer para as mães que estão com seus filhos internados que nunca percam a esperança e a fé.

      A morte é cruel e inaceitável em qualquer idade, mais ainda quando se trata de jovens cheios de sonhos e projetos... Vejo-a como uma ‘inimiga a ser vencida’ e será, é nisso que acredito.

      EXATOS também são seus comentários! E sinceros. Vc reflete em suas palavras toda sua doçura e grandeza de alma. Te admiro muito, vc sabe. já te disse muitas vezes e não canso de repetir.

      Um grande Beijo.

      Excluir
  2. Xará, li cada barbaridade a respeito da tragédia! Membros de uma igreja evangélica não chegaram a dizer que ex membros estavam lá e que morreram por terem deixado de ir à igreja? Outros não disseram que a culpa é do demônio?... Não sei o que dizer a respeito, sabe, ainda não consegui absorver direito o que aconteceu. Só sei que foi uma sequência de falhas e não consigo emitir julgamento contra ninguém. Somente Deus sabe! Foi horrível... está sendo... Sinto muita compaixão pelas famílias e procuro pensar somente nisso, enviando pensamentos positivos e amor. Nos culpados, já tem muita gente pensando, não é mesmo? Só o tempo será o remédio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Xará, eu também li barbaridades. Entre tantas, falaram de ‘carma’, ‘castigo’, e coisas similares. Como se não bastasse tanto sofrimento...

      A ignorância de alguns chega a me dar arrepios, sabia? Num momento tão triste como foi e ainda está sendo, o melhor a fazer é sermos solidários na dor, e de preferência de boca fechada. Se não podemos fazer nada de prático, podemos emitir orações pelos que perderam seus entes queridos. Pedir a Deus que conforte aqueles corações machucados.

      Vc deve ter visto no meu face que publiquei apenas uma notinha discreta de pesar. Não era o momento, e nem rede social é o lugar para publicar explanações extensas sobre teorias vazias e sem nexo.

      Vc tem razão, somente Deus sabe todas as coisas e conhece o coração de cada um de nós! Deixamos, portanto, que Ele exerça o julgamento.

      Bjão amiga!

      Excluir
    2. Oi Sueli Bom dia.
      Quero te dar os parabéns pelo noivado de sua filha, desejo que o casal seja muito feliz.

      Gostei muito de sua crônica.
      Também não concordo em que joguem a culpa por tudo em Deus. Ele nos deixa agir de acordo com a nossa vontade, o problema é que a vontade impensada e irresponsável de alguns que buscam seus próprios interesses entre em choque com a vontade de outros, e até em detrimento destes. Tudo deverá ser apurado para que se encontrem responsáveis, e também para servir de exemplo para outros eventos e tudo o mais que necessite de fiscalização honesta. O Jeitinho brasileiro tem que ser abolido totalmente.
      Uma coisa me chamou atenção na sua crônica; Você correu logo, quando soube da noticia, para fazer contacto com sua filha, e tentar de alguma forma alertá-la sobres as suas inquietudes. É , acredito que isto deve ter acontecido com todas as mães. Nós tomamos logo uma posição de defesa dos nossos filhos, é um processo natural, e só nós sabemos o que vai no nosso coração nessas horas, dá vontade de protegê-los de alguma forma, um medo e uma sensação de perda, e um agradecimento ´pelo alívio por sabermos que eles estão em segurança, vontade de abraça-los e tudo o mais. Fico pensando no desespero de cada mãe que tinha seu filho neste local. Eu de uma certa forma posso avaliar, já perdi uma filhinha e quase perdi meu filho há dois anos,vítima de um assalto. Nós a cada momento corremos o risco de sermos de alguma forma prejudicados pela falta de segurança, pela não exigência dos nossos direitos como cidadãos e a coisa vai ficando cada vez pior.
      Quero te agradecer pelo carinho lá no meu blog. fiquei super feliz e respondi também.
      Bjs.

      Excluir
    3. Boa tarde Lourdinha!

      Obrigada amiga pelos cumprimentos a minha filha! Ela bem que merece ser feliz.

      Esse seu comentário, como todos os outros, sempre tão lúcidos, me é gratificante...

      É isso mesmo amiga, inconcebível pensar que a incompetência humana somada à ganância possa gerar tantas dores. Triste é a certeza que não vai parar por aí. Sabe Deus quantas tragédias ainda presenciaremos ‘patrocinadas’ pelo mesmo descaso. É o jeitinho brasileiro, como vc bem lembrou.

      O país começou agora a se mexer, fiscalizar, apropriar, etc... Foi preciso a tragédia. Lamentável.

      Verdade o que vc disse, eu, assim como uma infinidade de mães e pais, partilhamos da mesma mescla de sentimentos naquela manhã de domingo: dor pelos jovens que estavam naquela boate, e alívio pelos nossos filhos que estavam bem e em segurança. Porém, ninguém está em segurança nesse atual mundo de imperfeições. Temos que estar bem equipados espiritualmente. Se assim for, sentiremos o pesar, mas jamais a desesperança! São nessas horas que a fé faz toda a diferença. Pobres daqueles que não a tem!

      Eu também perdi uma filhinha, mas, exatos 2 anos depois ‘literalmente’ ganhei outra que sempre me proporcionou grandes alegrias. Qualquer dia te conto essa história.

      Um beijo enorme querida e obrigada mais uma vez! Adoro ver vc aqui!

      Excluir

  3. Olá Sueli,

    Há muitas coisas que estão além do nosso entendimento. Realmente, as palavras ditas no face, embora cobertas de vontade de consolar, não foram apropriadas para o momento. Ainda que a tragédia tenha sido planejada pela espiritualidade, em virtude de resgates coletivos, conforme salienta a doutrina espírita, os responsáveis serão punidos pela lei divina e deverão responder dentro dos limites da justiça humana. A tragédia, infelizmente, também está servindo como alerta. Muitos governos já correm para reavaliar as normas de segurança e ordenarem uma varredura nas boates e demais recintos fechados. Aqui em Belo Horizonte as providências já começaram. É doloroso que aconteça uma catástrofe assim para motivar providências no sentido de evitar outras semelhantes ou de maior porte.
    Meu coração também está de luto. Minha cabeça ficou a mil, pois não conseguia parar de pensar no sufoco e desespero dos jovens na luta para encontrarem uma saída e ainda inalando fumaça tóxica. Não consegui deixar de pensar no desespero dos pais, principalmente daqueles que perderam mais de um filho na tragédia.
    Só nos resta orar por todos, pelos que se foram e pelos que ficaram e que terão de conviver com a insuportável dor da perda e da saudade.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Vera, também não consigo parar de pensar no desespero daqueles jovens querendo sair. No lamento dos pais que desejaram estar lá para protegê-los e arrastá-los para a saída... Pais sempre acham que tem superpoderes para proteger os filhos, não é mesmo?

      Resta-nos esperar o tempo passar. O tempo é bom conselheiro.

      Quanto aos culpados, se há, temo que seja todo um sistema. Falho, incompetente, inconsequente, corrupto... sobra adjetivos.

      Bjo grande, amiga. Obrigada pelo seu comentário.

      Excluir
  4. Um horror!
    Só daqui de São Gabriel foram até agora 8 falecidos, uma tristea ímpar.

    Quanto a estes desocupados mentais que escrevem barbaridades usando a religião seja ela qual for, eu penso que deve ter rigor na lei para puni-los; eu como cristã de confissão evangélica não vejo nestes insanos nada de Deus, nada do nosso Jesus que amou e ama a todos sem desti
    nção.
    Poderia ser qualquer pessoa independente de idade estar alí para isto basta que um amigo, filho, ou nós mesmos estivessemos na UFSM ou comemorando o resultado de um tão sofrido ENEM.

    Não entendo o que aconteceu, claro que a ganância esta por trás disso através das coisas que não foram feitas para prevenir esta tragédia, o olho maldito no dinheiro da bilheteria e outras coisas mais.

    Diante desta tragédia da dor de centenas de familias, de um estado inteiro, de um Brasil desnorteado ainda temos que conviver com alienados postando besteiras em nome de uma religião que não autoriza ninguém a isto, e outros idiotas postando coisas ignorantes piadas infâmes.

    Diante deste cenário de horrores geral eu oro para que os hospitalizados não sintam tanta dor, para que não haja mais óbitos, que desça um bálsamo especial sobre as familias que ficaram com seus ninhos vazios.
    Que Deus envie anjos, anjos da saúde para atender aos tantos profissionais dela que trabalharam e trabalham sem cessar e precisaram de terapia para seguir a diante, após este episódio de guerra.

    Oro por mim, peço a Deus que me livre de cruzar pelo caminho com algum abutre para não correr o risco de ir para o inferno.




    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Bella, querida, sua indignação é a mesma que a minha. Não tive como não me colocar no lugar dos familiares das vítimas e tomar suas dores. Por isso escrevi essa crônica. Vc sabe que coisas postadas na internet correm como rastreio de pólvora, e é provável que muitas daquelas manifestações horrorosas chegaram aos familiares das vítimas... como se não bastasse tanta dor.

      Infelizmente a internet é assim. Tem muito de bom a nos oferecer, mas às vezes tanta democracia me desgosta. Nem tudo convém jogar na rede. E nem era o momento de dar 'explicações religiosas' sobre o ocorrido. Como vc bem disse, o momento é de oração coletiva em prol dos envolvidos, independente de religião. A oração tem força, acredito muito nisso.

      Obrigada amiga, sempre bom ter vc aqui! Seus comentários são repletos de sabedoria.

      Bjão.

      Excluir
  5. Oi, Sueli, isso que aconteceu em Santa Maria e que se tornou um empurra-empurra, que ninguém assume a responsabilidade, é o velho e horrendo 'jeitinho brasileiro': fazer as coisas mal feitas para levar vantagem. Será que um dia aprenderemos com nossos erros? Além de ter se tornado uma tragédia para os gaúchos e para o Brasil, essas famílias que perderam seus filhos, parentes e amigos ficarão para sempre marcados pelas vidas perdidas, arrancadas.
    Não consegui escrever nada sobre esse horror, pois não teria palavras suficientes que pudessem transmitir tamanha dor das famílias e tantas outras coisas que lemos e escutamos nos meios de comunicação.
    Uma hora é uma coisa; na outra não é mais, a culpa é de um outro órgão. Que loucura isso. São tantas perguntas sem respostas! Tantas inverdades no meio das verdades que todos nós sabemos.

    Meu carinho e minha solidariedade ao povo de Santa Maria! Não sei mais o que dizer... Tudo já foi dito! Só sei que falta moral e ética à muita gente.

    Texto muito bem escrito, como sempre.
    Beijos pra você!

    ResponderExcluir
  6. Verdade,Tais, todos os envolvidos tentando tirar o corpo fora da responsabilidade. É a velha história de sempre: primeiro eu, os outros são só os outros...

    Difícil mesmo até falar no ocorrido, tamanha é a dor. Eu tinha que soltar esse grito entalado na garganta. A inversão de culpas, segundo alguns, foi que me chocou e me levou a escrever. Na busca por respostas, que é clara, límpida e simples, alguns atribuem ao misticismo incompreensível. Fácil, não?
    Os culpados parece ser somente os jovens que estavam na boate. Tinham que pagar com a vida pela expiação dos pecados por estarem apenas se divertindo. Que horror! Que raciocínio mais idiota esse!

    Obrigada pelo comment.

    Bjo

    ResponderExcluir
  7. Olá Sueli, um acontecimento que jamais será esquecido, mesmo porque a dor não dará tréguas aos corações enlutados. São tantas as tristezas presente em nossas vidas que precisamos ter o cuidado para não nos acostumarmos com elas. Seu texto é extremamente belo e nos diz um pouco do que as pessoas mesmo não sendo próximas das vítimas, choram, pois somos irmãos em Cristo.
    Sueli, quando puder acesse ao meu blog, estou muito feliz porque estou participando de um evento cultural.O convite eu postei lá. Beijo!

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs