“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

3 de mai de 2012

Quando um segundo se torna eterno...


Há certos momentos na nossa vida que ficarão guardados eternamente no nosso coração figurativo que é a mente. E nós sabemos que de sobressalto, um cheiro, uma imagem, uma palavra, ele será trazido à tona e reviveremos tudo novamente...
Como escreveu Drummond, eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata....

Terça feira, 13 de março passado, por volta das 7:30h da noite.

Lembro-me bem do horário, pois momentos antes eu havia visto no relógio do computador e tomado um susto. É sempre assim, paro o que estou fazendo e resolvo dar só uma passadinha para checar os novos emails e nem percebo que o tempo passa...
Bem, acho que não sou a única a perder a noção do tempo quando estou em frente ao monitor. Deixar o computador ligado o dia todo e ir checar a todo o momento, também não.

Aquele teria sido um dia bem normalzinho, sem novidades, mas o telefone tocou.

Eu já havia saído do computador e estava no meu quarto prestes a entrar no banho. Atendi ali mesmo sem poder ver o número no visor, pois estava sem os meus óculos:

- Alô?
- Mamãe?

Não era o horário de ela me ligar e de inicio estranhei um pouquinho.

Desde que saiu de casa para morar sozinha há oito anos, ela me liga todos os dias pontualmente às 22h para me dar boa noite. Fazemos um breve relato de como foi o nosso dia e despedimo-nos com beijos e um “fica com Deus”.

- Oi meu amor, tudo bem?

Eu tinha um segundo pela frente de aflição até que ela me respondesse “sim, está tudo bem”. Depois, ela diria que só estava ligando mais cedo por que iria sair para jantar com o namorado num lugar barulhento e difícil de falar...

Mas era terça-feira e definitivamente não era dia da costumeira baladinha. Não para ela, muito organizada, de vida regrada e responsável. Além do mais, no domingo durante o almoço aqui em casa, ela tinha se queixado do cansaço que é procurar apartamento para comprar. Com casamento marcado, ela e o namorado pretendiam se mudar para um maior o quanto antes...

Ou talvez, quisesse me contar algo do meu interesse que havia descoberto na internet, e tinha que ser naquele momento, pois sabia que ultimamente eu vinha desligando o computador mais cedo... Ela me passaria o endereço do site e eu abriria a página. Ficaríamos por quase uma hora explorando tudo simultaneamente e lendo os textos em uníssono...

Mas não foi isso que aconteceu. Ela me respondeu com outra pergunta:

- Você está sentada?

Essa pergunta obviamente me colocou em estado de alerta. O que viria no segundo seguinte?... Que era uma notícia eu já sabia, mas seria boa ou ruim?

É impressionante a mente humana! Admira-me a capacidade que temos em reviver tantos acontecimentos num lampejo de tempo... O momento em que a vi pela primeira vez passou pela minha cabeça como um relâmpago.

Eu estava esgotando minhas últimas energias para me manter lúcida e tentava levantar a cabeça para ver o meu bebê que acabara de nascer.  Foi um parto com agravantes e eu só desejei duas coisas naquele momento: saber o sexo e dar uma espiadela antes de apagar de vez. A enfermeira postada atrás da minha cabeça disse “é uma menina”, enquanto outra a levantou ainda com o cordão para que eu pudesse vê-la.
Assim como uma câmera fotográfica no instante do clic, tive apenas um segundo para registrar tudo na minha memória e eternizá-lo. Fiz um esforço descomunal num poderio que só as mães possuem e vi até a pinta que ela tem na coxa esquerda. Se tivesse cabelos acho que os teria contado um por um!

Agora, eu já sabia que outro daqueles segundos-eternizantes era iminente e tinha que aguçar todos os meus sentidos para vivê-lo intensamente.

Eu chamaria isso de pressentimento, ou intuição materna, mas foi a nota de felicidade no timbre da sua voz que me levou a adivinhar a boa notícia.

- Espera um pouco que eu vou trocar de aparelho – disse eu.

Foi uma desculpa para eu apanhar o telefone sem fio. Não soube ao certo por qual motivo aquilo me pareceu importante naquele momento. Mas eu descobria depois.

- Pode falar agora. Não estou sentada, mas estou pronta.

... e estava mesmo, mais do que pronta. Sonhava há anos com aquela noticia!

- Eu estou grávida!

No segundo seguinte eu estava pulando e gritando como uma louca pela casa inteira!!!  Até chegar ao escritório do meu marido completamente nua...

   

13 comentários:

  1. ADORAVEL......fiquei preso à narrativa....Muito legal, como vocês dizem....(rsrsr). Obrigado pela chamada de atenção...
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Sueli, nem preciso dizer que seu texto é uma delícia de ler, tenho certeza que não haverá alguém para achar o contrário.
    Parabéns!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Que barato. Tbm gosto de eternizar momentos... Depois ficam como em um álbum na mente.
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  4. O que é bom, importante, vital...fica eterno!

    Bjos, Sueli...quase sem tempo, mas em tempo de dizer que adorei a visita!

    ResponderExcluir
  5. Querida Xará, emocionei-me tanto, que estou escrevendo com lágrimas nos olhos! Não sei se porque aprendi a gostar muito de você, ou por ter encarnado o seu momento, ou se porque me lembrei da minha primeira vez. A primeira vez que recebi a notícia de que ia ser avó, há dezesseis anos atrás... Foi lindo e eu também fiz todo esse "fuzuê" com minha filhota! Abraço bem forte de coração para coração!

    ResponderExcluir
  6. Xaráaaaaaaaaaaaa

    Não acredito que vc tem um neto com 16 anos!!!
    Me conta aí qual o segredo para se manter tão jovem e bonitona!!! Anda tomando banho no formol, éh... rsrs
    Da tua vitalidade nem vou falar, ai,ai,ai, uma inveja danada viu! rsrs

    Vc não é só lindona na aparência, é bela nas atitudes, na postura quando se posiciona diante das coisas que vc acredita, te admiro muito por isso!

    Sei que vc é uma mãezona e uma vovó babona, vejo no FB as 'carícias virtuais' que vc troca com a sua prole e me emociono. Acho lindooooo os comentários que o teu filho posta pra vc rsrs. Tbm nisso somos muito parecidas, curujice à flor da pele! rsrs

    Como diz meu netinho, TE AMO MAIS MAIOR DE GRANDE! RSRS

    Bjos querida!

    ResponderExcluir
  7. Sueli,

    Que linda, perfeita essa narrativa! Você escreve maravilhosamente bem, até quando está sob forte emoção, parabéns!!!

    É dessa emoção que quero falar: não há alegria maior, não pode haver, do que essa que você acaba de descrever! São momentos eternizados, de fato. Ficam para sempre, com nitidez que impressiona a mente, pois em uma fração de segundos captamos todos os detalhes e os guardamos para sempre em nosso "coração figurativo".

    Quando você relembrava o nascimento de sua filha, vi nascer de novo cada um de meus filhos... e me emocionei até as lágrimas! Como é bom ter esses momentos mágicos para relembrar, como sou grata por isso!

    E virá o dia em que, assim como você, estarei registrando a alegria de ser avó...

    Nessas horas, a vida me parece perfeita. Não é preciso muito para ser feliz, não é? Só posso te dar os parabéns mais uma vez, e dizer que essa criança será abençoada com uma avó muito coruja, plena de amor para dar! Além de linda e talentosa... Você merece essa alegria e tem mais é que vivê-la intensamente, PARABÉNS!!!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Sueli, que felicidade sem jeito de conter, hein? Também conter pra quê não é mesmo? rsrs.

    Agora que estou morando em Itabira e perto da minha filha mais velha, dia desses saímos juntos e quando fui deixá-la em casa, a vizinha dela cumprimentou-a e disse "e aí, Maíra, já resolveu presentear o prédio com um bebezinho? Estou sentindo vontade de ver um barulho de criança aqui no prédio." Ela respondeu, (para minha desilusão, rsrs): "Ih, vá se contentando com o silêncio pois acho que vai demorar ainda muito."

    Eu estou louquinho para ser avô mas não manifestei nada, afinal não quero que ele se sinta pressionada pelas minhas vontades.

    Parabéns a você e à família toda e que esse bebê seja muto bem vindo,alegre e com muita saúde . Paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. PARA SUZY!

    Tem razão, minha linda, não é preciso muito para ser feliz... E a vida está repleta de novas emoções, até o final dos nossos dias aqui nessa aventura... Então vamos vivê-las intensamente!

    Eu também chego à conclusão que a vida é perfeita, sim, apesar de tudo. Sou otimista, escolho ver o lado bom das coisas, da vida, das pessoas... Fujo de tudo que me aborrece, me entristece e deprime. Nem noticiário eu assisto mais pra não ‘melar’ minha felicidade rsrs. Ando meio alienada a tudo, mas tá ótimo assim! rsrs

    Bjo grande querida!

    ResponderExcluir
  10. PARA JOSÉ CLAUDIO!

    Cacá, deixa estar que chegará o seu dia! Aqui demorou um bocado e agora já vem o segundo... Desejo que não pare por aí, que venha uma penca, pois é bom demais, vc verá!!!

    O melhor de tudo é que não temos a responsabilidade de educar, só de estragar a educação que os pais ralam pra dar! rsrs
    Não acredito que escrevi isso, se meus filhos lerem vão pedir divórcio de mãe rsrs

    Bjos meu amigo!
    Ah! Adorei o “José Claudio”, quanta imponência! rsrs

    ResponderExcluir
  11. Foi exatamente assim!!! Nossa estou aqui me debulhando em lágrimas!! Grávida já viu né...Te amo muito mamãe! beijos.Tata

    ResponderExcluir
  12. TATINHA!!!

    Também te amo muito meu amor! Vc está nos proporcionando uma grande alegria. A chegada do Rafinha é no momento a coisa mais esperada e mais importante do mundo!
    E o presente que vc me deu no domingo, guardei como um tesouro... Não estou falando do vestido, refiro-me ao DVD do ultrasom onde pude vê-lo pulando todo espoleta na sua barriga rsrs.

    Muito, muito feliz, filha!!!
    Bjos meu amor!

    ResponderExcluir
  13. Entendo o pessoal que se manifesta aqui pois ja sou avo corujissimo de uma linda menina. Crianças são presentes que Deus coloca em nossas mãos e cabe a nos cuidar deles o melhor possivel.Certo?

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs