“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

28 de abr de 2011

Tô passada!... da idade.


Minha intenção era escrever um poema que retratasse com bastante leveza a minha idade madura . Planejei tudo cuidadosamente: começaria com a manjada frase “Cada idade tem a sua beleza” e, depois, daria um enter para a linha de baixo e começaria a descrever toda essa beleza...

Foi aí que o bicho pegou.

Na boa, gente, não consigo ver beleza nos meus cabelos ficando cada vez mais finos e mais ralos... Nem na minha pele ganhando um aspecto amarrotado igual à minha blusa de viscose quando sai do varal. Vai chegar a hora que vou ter que substituir o Botox pelo ferro de passar. Desculpem-me, mas não consigo ver beleza nessa triste realidade!

Decidi deixar a beleza de lado e falar das vantagens de ser uma mulher madura. Afinal, nós da idade madura, carregamos um bocado de experiências nas costas... Nesse ponto reli o texto e substituí experiências por 'inutilidades adquiridas'.

Do que nos vale tanta experiência se ninguém nos ouve mais?  A essa altura da vida, os filhos já tomaram seus rumos e voam sozinhos. Ou, se estatelam no chão, também sozinhos.

E os amigos? Podemos passar toda nossa experiência de vida pra eles...

Bem, nossos amigos certamente fazem parte do clube, e como dizia meu pai, burro velho não aceita cabresto.

Ainda pensando no poema, fui navegar pela internet em busca de inspiração. Caí numa crônica com uma visão tão pessimista da 'coisa' que traumatizei. Logo de cara me deparei com as palavras: artrite, artrose, esclerose, catarata e o escambau!

Fiquei com depressão.  Sai desse corpo que esse corpo não te pertence...

Respirei fundo e insisti na leitura; cheguei ao final onde estava escrito “envelhecer com saúde”.

É isso! – pensei animada – vou falar de saúde!

Bati daqui, bati dali, e não consegui juntar as palavras 'envelhecer' e 'saúde' na mesma frase. Minha razão inimiga cochichava no meu ouvido que quando entramos na idade madura estamos caminhando à passos largos em direção a... Vocês sabem.

Agora, começo a imaginar um diálogo mais ou menos assim:

Pobrezinha!... Ela morreu de quê?
De saúde. Tinha tanta que não aguentou...

Definitivamente envelhecer e saúde são palavras opostas.  Minhas fichas começaram a cair quando meu oftalmologista passou a lembrar do meu nome e sobrenome. Quando tive que mudar meus remédios de uma caixinha para um armarinho maior. Quando desci minhas tralhas para o andar de baixo. E quando os meus dias passara a ter 12 horas.

Um pensamento passa como um flash pela minha cabeça: se estou na idade madura, pela lógica o que vem depois é a idade podre... Jesus, joga a boia!

O irônico dessa história é que a minha idade mental não bate com a idade da minha certidão de nascimento. No meu íntimo ainda me sinto com 18 anos! Ainda insisto em dançar I Will Survive nas festas e, volta e meia, vou pra balada com meu filho. Ainda uso os mesmos modelitos de roupas que as minhas filhas usam e vou até às últimas consequências para me equilibrar num salto quinze.

Tive um aluno adolescente que me chamava de 'minha-profe-bicho-grilo'. Ele vivia dizendo que falávamos a mesma língua. Eu de fato gosto da companhia dos jovens e me sinto a vontade entre eles. São nesses momentos que eu esqueço que envelhecer é mesmo uma bosta, como disse Jorge Amado. Mas com jeitinho vou vivendo de ilusões numa reflexão adiada.

Quando é que eu vou envelhecer interiormente?...  Bem, isso eu ainda não sei. Essa ficha ainda não caiu.Um dia vou começar a me sentir ridícula e inadequada. Um dia. Não tem que ser agora.

29 comentários:

  1. Você é um espírito livre, Su. E isso não pode ser contido numa imagem ou estereótipo. Tenho medo de envelhecer, mas a alternativa me apavora muito mais.

    Bora ser umas velhinhas infernais, daquelas que não param quietas. Bora manter a força propulsora no máximo e ver no que dá.

    Aí você vai me contando como é, que eu estou bem atrás.

    Beijo grande, cheio de saudade.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do comentário da Fernanda, vc é um espírito livre, que jamais envelhecerá (segundo me asseguram, espírito é imortal e não envelhece!!), por isso, prorrogue mesmo essa marcha ré para a vida, saracoteie ao som da música que mexe com teus instintos e abuse do charme que as roupas emprestam, colorindo a pele-de-viscose que Deus te deu...e olha, confesso que ri muuuiiiito te lendo, me vendo num futuro próximo, remexendo os olhos de agonia pensando no que significa ser "adequada"...rsrs

    Adorável teu bom humor!!
    Bjo grande, de uma avó madura, que não envelhece...rssssssss

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkk, definitivamente eu não te aguento! Jamais eu pensaria que você fosse catar algo escrito em 2007. Amiga, você é a minha terapia, ou como queira, a minha terapeuta! Eu preciso de você!
    Não precisa envelhecer, rejuvenescer ou espernear... Assim como tá, melhor não fica! Eu rejuvenesço montes lendo estas suas crônicas, sabe por quê? Anote aí: a melhor terapia do mundo é o riso, gargalhar e gozar de si mesmo. É um esculacho que faz bem ao espírito, não se leve a sério!

    De onde você foi tirar estas idéias como:

    Pobrezinha!... Ela morreu de quê?
    De saúde. Tinha tanta que não agüentou...

    Eu quero chegar nesta infeliz de 'Melhor Idade', com um tiquinho só de saúde, o suficiente pra lhe dar um 'OI' pela manhã!!!

    Muitos beijossss
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  4. Sueli, eu tô aqui pensando com meus botões:
    "Ela tava cheia de inspiração para escrever, cheia de idéias, mas deve ter sido sabotada por ela ou pelo espelho"

    Afinal uma pessoa que é uma Mestra nas crônicas, que nos faz viajar, que tem uma aparência linda, um esírito livre e jovem... não entendi confesso.

    Por outro lado eu entendo e bem hormônios, algo neles hoje deve estar desregulado, sim eles devem ser o culpado de vc se comparar com "Uma peça de roupa amassada"

    Imagina , você no mínimo deveria se comparar a um vinho "Que quanto mais o tempo passa mais saboroso fica.

    Bjs no core e adoroo seu blog.
    Vc tá lindaaaaaaaaaaaaaa!

    ResponderExcluir
  5. Sueli,


    Um texto grandioso, desses que põem sorriso num rosto atrevido que encolhe as rugas quando ri; desses que as rugas nem sabem o que fazem nele; desses que confundem a idade, não porque a escondemos pelo subterfúgios maquiados, mas pelabravura de enfrentar o existir mais prolongado!

    (Ainda uso rosa! rsrs)

    Lindo texto!


    Um abraço ENORME, Marluce

    ResponderExcluir
  6. É isso mesmo, Sueli. Na minha idade, isto é, na pior idade, os filhos já saíram de casa e não precisam mais da gente. Parece que eles querem mesmo é que passemos, o quanto antes, desta para melhor para se livrarem da obrigação de nos convidar para o almoço uma vez por ano, de nos visitar duas ou três vezes por semestre, ou para colocarem a mão na herança, que é sempre inversamente proporcional ao tempo de sobrevida dos velhos.
    Mas o mal não se resume a isso. Tem a calvície, os cabelos ralos e os cabelos brancos. A gente suporta bem os fios brancos enquanto eles aparecem na cabeça ou na barba. Já quando aparecem no peito soa um alarme estridente. “Que merda! Entrei em decadência!“ Como não há o que fazer, a gente acaba se acostumando. Porém, o terror se instala definitiva e irremediavelmente quando aparece o primeiro pelo branco no saco. Aí é o inferno. Prenúncio do fim. Com a idade, parece que os pelos das canelas se mudam para a orelha e para o nariz. As canelas ficam finas e carecas. Uma calamidade! O pior é que a gente só se dá conta da tragédia quando o barbeiro, com a maior sem-cerimônia do mundo, enfia a ponta da tesoura em nossas narinas para podar os tufos de pelos enxeridos. Terrível.
    Parabéns pelo seu texto.
    Abraço solidário,
    GAbriel

    ResponderExcluir
  7. Oi, Sueli! Eu estou com meu pai e meu irmão bstante adoentados mas a gente não deixa de fazer piada dessa vida. Eu conversava com o meu outro irmão outro dia no saguão do hospital e ele me disse: "já reparou como de uns tempos para cá a gente começa a saber de cor o nome de tantos remédios e descrever doenças e sintomas?" hahaha!

    Brincadeiras à parte, acho que a cultura ocidental é muito perversa no aspecto histórico, identitário. Ela privilegia tudo o que é novo e não costuma levar em conta as experiências a serem transmitidas em forma de aprendizados. A gente tem filhos, os ensina até uma certa idade e depois passa a ser uma espécie de coisa guardada deles( quando há amor em família). No mais, para o resto da sociedade, somos mesmo é um estorvo. Até mesmo no aspecto institucional isso se manifesta. Basta ver a má vontade que os sucessivos governos tem com a previdência social. A própria necessidade de um estatuto de idosos, no meu entender é uma demonstração do desrespeito reinante na coletividade com as pessoas mais velhas. Como disse a Fernanda aí em cima, o melhor mesmo é ser esse "espírito livre". Abração. paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Amei seu Blog.
    posts maravilhosos.
    Tudo muito bacana.
    Te segui, ofereço meu singelo Selo de Aprovação.
    Beijos
    Ivete

    ResponderExcluir
  9. Sueli que delícia de texto, hoje descobri que temos algo em comum, espírito jovem! coisa boa! é o que faz a gente olhar para o espelho e nem enxergar os pés de galinha, fios de cabelos brancos, rugas no pescoço, sabe por que? porque quem vive dessa forma faz da alegria de viver uma plástica natural e do sorriso um antídoto contra a velhice. Amadurecer assim é nunca passar do ponto, é ser jovem o tempo todo!

    Beijos
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Sueli,
    Vc é o tipo de pessoa que não envelhece NUNCA!!!
    ADORO o que escreve, te acho fascinante...
    bjo enorme,

    ResponderExcluir
  11. Gosto muito de viver....e só isso me preocupa...Querer mais e melhor em cada dia....pois como eu...hà outros que querem o mesmo e aí a felicidade e o
    desejo de viver, grudam em nós e nem sabemos se temos aquelas doenças próprias da idade...Viver é preciso.
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Sueli, não sei se choro ou se rio...Muito bom quando as palavras encontram aconchego no coração da gente, e conforme lemos balançamos a cabeça afirmativamente, como se estivéssemos ouvindo nossa própria voz. Uma crônica bem humorada, que não deixa de ser triste em sua essência, principalmente a parte que em que você fala dos filhos...Isso sim, dói mais do que qualquer ruga...Bjs querida.

    ResponderExcluir
  13. Sueli, não sei se choro ou se rio...Muito bom quando as palavras encontram aconchego no coração da gente, e conforme lemos balançamos a cabeça afirmativamente, como se estivéssemos ouvindo nossa própria voz. Uma crônica bem humorada, que não deixa de ser triste em sua essência, principalmente a parte que em que você fala dos filhos...Isso sim, dói mais do que qualquer ruga...Bjs querida.

    ResponderExcluir
  14. Sueli , querida !

    Voce é uma das melhores cronistas da internet. seus textos são muito bem elaborados. sempre com o bom humor que lhe é peculiar.

    Nota dez para essa maravilhosa crônica.

    Um beijo !

    ResponderExcluir
  15. Muito legal seu texto rsrrsrs muito bom mesmo !

    ResponderExcluir
  16. É isso aí Sueli.
    E como vai? Tudo bem agora?
    Tem um presentinho para vc lá na Maraláxia- Um Meme!
    Passe lá para pegá-lo!
    Com carinho pra vc
    Fatima

    ResponderExcluir
  17. Prezada Sueli! Para o mundo que eu quero descer!
    Olha só: meu avô se foi aos 96 anos, lúcido, nunca conheci alguém com espírito tão jovem. Na verdade, acho que a vida é cíclica, se a gente aprende a apreciar cada uma de suas distintas fases, envelhece (no sentido de acumular tempo no lombo) calma e dignamente. Já reparou o que as pessoas sempre dizem dos bebês? "Que coisa linda, pena que crescem..." Costumo dizer o mesmo, com outro desfecho: "graças a Deus eles crescem, nos permitem curtir e observar sua evolução, cada fase mais linda que a outra!" E é fato, tenho saudade das fases anteriores, mas sem nostalgia... Olha, este comentário não é um repto, ok? É só uma sugestão de "olhar diferente", encarar a questão sob outros aspectos.
    Grande abraço,
    Adh

    ResponderExcluir
  18. A frase "Foi ai que o bicho pegou" pensei: Aymée prepara-se para rir...
    Muito interessante o texto, como você consegue falar de coisas que nos assustam com tanta ironia? Bom demais ler o que você escreve.
    Na lógica você esta certíssima! Em um futuro nao tão distantes estaremos podres, hehehehe

    Eu também me sinto como você na maneira que você falou, que pode estar envelhecendo mas se veste como antes, ou que adora estar perto de jovens e conversar da maneira deles e mesmo estarmos envelhecendo sabermos que ele gostam de falar com a gente. Isto para mim é maravilhoso, conseguir fazer um jovem se sentir bem perto da gente.
    O meu armário de remédios ainda nao aumentou porque eu nao vou no medico para reclamar, hehehe nao sou tão precavida com o que pode estar me ocorrendo, e quando sinto uma dorzinha diferente vou logo tomando o tal do Aulin que parece que foi fabricado para todo tipo de doenças, hehehe O remédio porreta!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Cura tudo! rsrsrs nao tem igual melhor que ele o que viria depois só mesmo um bom sexo kkkkkkkkkkkkkkkk E' outro para curar todos os males.
    Quando as minhas rugas eu estou tentando me habituar o máximo que posso para nao sofrer com baixo astral. Não tem com escapar, é a lei da natureza... Veja as frutas nos demonstrando com seremos... A uva é uma demonstração assustadora, hehehehe e para escapar só mesmo indo embora desta vida antes que isto aconteça, mas eu prefiro pagar para ver e espero que viva muito... Mas realmente Deus foi injusto nesta invenção, hehehehe
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Ai flor....rsrsrsrsrs... só vc mesmo pra me fazer rir tanto...rsrsrsrs... Relaxa!!! Viva da maneira que vc se sente bem e pronto, deve ser maneiro ter uma prof. bicho grilo...rsrsrsrs... VOCÊ É LINDA!!! Não precisa se preocupar com a idade.... bjos

    ResponderExcluir
  20. Excelente texto, nunca li algo tão sincero sobre o assunto , porém, graças a Deus , não somos eternos , cá entre nós,seria um saco. A vida é um ciclo e nele devemos nos inserir. Não somos donos da vida de ninguém e muito menos de nossos filhos, graças a Deus, eles caminham por suas próprias pernas. O fato é que a gente teima em pensar que quando éramos jovens tudo era maravilhoso, pura ilusão, nossa memória é seletiva.

    Grande abraço,

    ResponderExcluir
  21. Sueli querida! Você sabia que você me diverte? Esse seu texto tem um monte de coisas com as quais me identifico. Mas você trata dessas novas realidades associadas a passagem do tempo com tamanho bom humor e criatividade, que ler se torna um grande prazer. Estava com saudades de vi aqui. Eu que também imagino por vezes que depois da idade madura ( no ponto ) deve vir a podre ( quando se está passando da hora ). rsrsrsr
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  22. Boa noite, querida amiga Sueli.

    Que texto maravilhoso!! Ler você é desfrutar de um grande show...
    Ri demais!!

    Realmente a idade madura não combina com saúde. São poucos que podem dizer isso.

    Eu adoro a companhia das crianças, e tenho a mesma vontade de jogar bola, peteca, pular corda, etc...

    Há seis anos atrás eu conseguia fazer tudo isso.

    Quando o corpo sinaliza que não aguenta mais, é nostálgico... É estranho.
    Haja equilíbrio, para que a depressão não chegue.

    É o passar da carruagem...

    Um grande abraço.
    Tenha uma linda semana de paz.

    (Muito obrigada pela sua atenção e gentileza)

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde!
    Que bom foi te encontrar. Vir aqui me reverdeceu. Adorei seus textos. Muito bom mesmo! Voltarei, de certo. Tenha saúde e dias bem felizes. Se tiver um tempo, e puder me visitar, agradeço de coração. Se gostar, e puder me seguir, vou adorar ter por lá seus comnts. Abs,
    João, poeta

    ResponderExcluir
  24. Oi Su!
    Adorei este texto!! É tudo que se passa na natureza,você escreve muito bem!!!!!Obrigada pelo carinho lá no meu cantinho,estou te seguindo e vou levar o link.
    bjossss

    ResponderExcluir
  25. Sueli,
    Ótima crônica. Bem humorada. Parabéns.

    É isso aí, amiga, a gente vai levando. Quem chama a velhice de 'Melhor Idade' é porque ainda não chegou lá! Rsrs. Agora pensa comigo: tantos cuidados com o meio-ambiente, etc, mas a Natureza se renova. E nós? Olha a devastação que a Natureza faz na gente! E dizem que é a Lei da Vida. Caracas, tá na hora de modificar essa lei! Rsrsrs. E vamo que vamo.

    Ano passado, aproveitei um título de uma blogagem coletiva e tasquei um post sobre o (meu) envelhecimento. Se quiseres ler, eis o link: http://marliborges.blogspot.com/2010/04/blogagem-coletiva-outono.html
    Bjsssssss

    ResponderExcluir
  26. OOOOOOTimo!!!!!!!!Amei....vou segui-le certamente....até quando não sei....já já os meus sessentinha chegam e é claro são uma incógnita...mas enquanto estiver por aqui e enxergando(mesmo com 3 graus) estarei seguindo-a!bjs

    ResponderExcluir
  27. Sueli, que delícia de texto!
    Incrível como você faz de suas 'tragédias' uma piada, encontra motivo para rir e fazer rir: amooooo pessoas assim! Que colocam humor em tudo...
    Esses são os verdadeiros livres, tão mencionados aqui, que nunca envelhecem, nunca passam da idade... estão sempre no ponto e na medida exata para ser feliz e fazer os outros felizes!

    E, como a Tais, estou aqui me perguntando de onde você tirou essa de morrer de saúde... kkkk

    Estou amando teu blog, leitura diária obrigatória (aliás, você e Tais são fora do sério, hein!).

    Beijos

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs