“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

19 de nov de 2010

É O BICHO!


Outro dia assisti na TV uma entrevista com um psicanalista de animais – Já existe isso, tempos modernos... Eu logo fiquei imaginando um cachorro de rua deitado num divã dizendo ninguém me ama, ninguém me quer...

Mas não é bem assim que acontece a psicanálise. O “Doutor” observa o comportamento do bicho e tenta descobrir as causas do desvio de personalidade. Ele disse que quase sempre chega à conclusão que a culpa é do dono, ou seja, se eles vão ser dóceis, violentos ou agitados, tudo depende de nós. Os animais também são produtos do meio.

Diante dessa revelação, devo confessar que fiquei um tanto preocupada, pois deve ter alguém com sérios desvios de comportamento aqui na minha casa. Só isso explica os bichos aloprados que eu tenho.

A começar pela bela Vera Lúcia, uma legítima Yorkshire de pelos fartos, macios, esvoaçantes, porte elegante, olhos faiscantes e etc., etc., etc...

Quando ela chegou à idade adulta, me deslumbrei com tanta beleza e meus olhos saltaram em cifras ($$$$) imaginando os lucros que ela me daria com seus filhotes. Tratei logo de lhe comprar um marido de fina estirpe com pedigree internacional. O nome dele é Bernardo, um maníaco por tornozelos de carteiro. Tenho que dar um desconto, pois é o único lugar que ele alcança. Isso lhe rendeu o apelido de “fura-meias”. (pelas mordidas, viu, gente, não levem na maldade).

Entretanto, as minhas cifras foram para o ralo quando descobri que ela, a minha bela e doce Verinha, era mesmo apaixonada pelo Bartô - o gato.
Não tive alternativa, a não ser comprar outra esposa para o Bernardinho e aliviar meu prejuízo: A Isabelle (Belinha para os íntimos) que também tem lá suas esquisitices, mas o enlace se consumou.

E por falar no gato, o nome dele é Bartolomeu, mas bem que poderia ser BartoloMALA, ô gato inconveniente, viu!... Nós o chamamos simplesmente de Bartô. Ele é um persa azul-cinza gigante, com muito pelo e nenhum caráter. Ele é convicto de que a casa é dele e nós somos os intrusos. E como incomoda! Sobe em todos os lugares e volta e meia me dá um tremendo susto pulando em cima do meu teclado hdg87#@!(??5hd4*¨432@dbg)+#.

Certa vez, ele virou a tela do meu computador e eu passei três dias com torcicolo até descobrir como desvirava. E se pego pesado na bronca, ele se vinga: entra no meu ateliê e imprime todas as suas digitais nas minhas pinturas molhadas.
 

É um entra-e-sai infernal o dia todo! Mia pelo lado de fora pra entrar, depois, mia pelo lado de dentro pra sair... Já pensei até em contratar um porteiro só pra ele.

E como se não bastasse, sofre de uma profunda crise de identidade, pois volta e meia se comporta como cachorro: atende pelo nome e ainda balança o rabo. De uns tempos prá cá, só come ração canina e quando insisto com a dele, faz aquela cara de
merci, tenho nojo.

E ainda tem os presentes de grego que ele caça no mato e traz para nós. Tem todo o cuidado de depositar bem no meio da sala de estar. Na hora de sacanear, ele é gato.

Mas devo dizer que o Bartô não é lá muito esperto. Esperto mesmo é o Juca - o meu tucano. Um dia eu o encontrei desmaiado no piso do viveiro. Entrei em pânico e o reanimei. Dias depois, o vi despencar do poleiro e ficar lá, duro, de perninhas pro ar  parecendo morto. Entrei em desespero e passei a procurar como louca por um veterinário de aves.

Não foi necessário. Logo descobri que ele se fingia de morto toda vez que o Bartô se aproximava do viveiro. Confesso que senti uma pontinha de satisfação ao descobrir que alguém estava se vingando do gato-mala por mim. Hehehe.

O que o Juca tem de esperteza, o Chicão tem de rebeldia. Ele é um Jaboti com cerca de 80 anos. Pelo menos foi o que me disse um “especialista” que contou os elos do seu casco. É um bicho enorme, parece um banquinho. Creio que se alguém sentar nele, ele carrega.

O negócio dele é fugir de casa. Ele nem sabe pra onde ir, mas continua fugindo. Acho que está gagá, o coitado. Nós aqui em casa já não nos preocupamos, pois sempre tem alguém que vem devolvê-lo – o Nono, como é conhecido aqui no condomínio.

Um dia tocou o telefone, eu atendi. Era o porteiro e a conversa foi mais ou menos assim:



- Alô.

- Dona Sueli?

- Sim, sou eu.

- A senhora pode vir aqui na portaria?

- Agora?... Estou um pouco ocupada...

- Eu calculo que pode ser dentro de uns 30 minutos.

- Aconteceu alguma coisa?

- Não, senhora. Só quero que a Senhora venha buscar o Nono.

- Ele está aí?

- De jeito nenhum! A senhora sabe que eu morro de medo desse bicho.

- E onde ele está?

- Está subindo a rua em minha direção.


Ai, ai, eu me divirto à beça com meus bichos!

Mas nessa minha narrativa eu jamais poderia deixar de fora o Incrível Hulk, ou apenas Hulk como o chamamos: A criatura verde.

Verde e gozadora. Caráter, também, é uma coisa que passa longe dele!

Os papagaios não formulam frases, eles apenas repetem o que ouvem. Como eu fico mais em casa, ele imita perfeitamente a minha risada e repete tudo que eu digo, e é aí que mora o perigo!

Quando estou no meu ateliê pintando, eu entro em outro mundo e detesto ser interrompida. Aí, toca a campainha, eu presumo logo que a visita é pra mim e exclamo: Visita, que bosta! O resultado disso é que toda vez que eu recebo uma visita o Hulk dispara: Visita! Que bosta! Visita! Que bosta! Visita! Que bosta!... E ainda por cima, intercala com a minha risada!

Aaaaaa, um dia perdi a paciência e lacrei o bico dele com fita crepe!

Agora, porém, não tenho mais como fazer isso, e só me resta passar por esse vexame desde que eu o premiei com a liberdade.

Foi no ano passado que eu notei que ele ficava doidão toda vez que um bando de papagaios passava voando por aqui. Então, eu abri a portinhola do seu viveiro e disse: “Quando se sentir pronto pode partir”.

Demorou três meses até ele descobrir que podia voar. Um dia pela manhã, eu estava na cozinha preparando meu café e ouvi um farfalhar exagerado. Olhei pela janela e vi uma coisa verde voando toda desengonçada: parecia uma borboleta gigante com soluços.

Ele permaneceu na mata por vários dias, mas sempre nos arredores da casa. Eu sentia um aperto no peito toda manhã quando saia para o jardim e ouvia aquela “voizinha” familiar: Bom dia mamãe!... E eu respondia: Bom dia loro!

Eu não podia vê-lo em meio a tanto verde, mas ele me via e ficava esperando eu acordar.

O nosso amor foi maior e não rolou a separação. Certa tarde, ele voltou e fixou residência no telhado do viveiro.

Voltou para continuar me atormentando e me fazer pagar uns micões ainda piores, pois agora ele é livre e faz pleno uso do ir e vir.

Apesar disso, a sua volta foi a melhor coisa que me aconteceu. Descobri que sem ele, a minha vida não tem a menor graça!

Sem ele e sem os outros, que, apesar de loucos, eu os amo demaissssssssssssssss

18 comentários:

  1. Macacos me mordam! Minha amiga que crônica animal... VOU RIR ATÉ SEGUNDA FEIRA!

    ResponderExcluir
  2. Suely, adorei tua crônica. Perfeita! Muito animal!!

    Eu também tenho muitos bichos aqui no sitio onde moro. E amo-os demais. Um dia também irei falar sobre eles. Bjsssss

    ResponderExcluir
  3. Morri de rir Suely. De todos os bichos. Mas amei quando o seu tucano começou a cair duro. hahahah

    Excelente texto.
    Já estava com saudades.

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Sueli, você me matou de rir e de inveja. hahahaha! Eu quero morar num lugar assim! Não aguento mais fumaça, buzina e sirene! hahahha! Adorei! Meu abraço. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  5. Sueli,


    Que coisa mais linda essa crônica, poética e bem escrita, além de criativa! Parabéns!

    (Esses animais herdaram de você toda essa inteligencia? rsrs

    Um abraço ,minha linda amiga, Marluce

    ResponderExcluir
  6. Voce tem certeza absoluta que seu nome é Sueli?
    Eu to achando que aqui tem algum erro... Acho que seu marido é o Tarzan e a mulher dele se chama Jane... Voce simplesmente vive na floresta! Oh meu Deus, voce vive em um paraiso!

    Porque uma pessoa poder ter tantos animais assim so vivendo em um lugar dos Deuses para poder entede-los como se deve, hehehe
    Nossa outra vez amei ler o que escreve!
    Quando vi que havia feito um novo post eu automaticamente pensei: Oba!! Eu vou poder gargalhar um pouco, do jeito que eu gosto, e foi dito e feito, kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Tudo, Tudo mesmo me deixou aqui com dor de tanto gargalhar, rsrsrs
    Onde ja se viu um passaro fingir de morto para sobreviver, kkkkkk
    E os caes, rsrs Sueli que vida diferente voce tem! Eu amo animais, e nao tenho nehum... Eu aqui comprei uma vez um porquinho da India, era lindo, mas com o tempo eu precisei doa-lo a uma loja que vendia animais dessa especie, nao pude continuar a cuidar dele, e eu fiquei triste por ter de fazer isto!
    Desejo que a felicidade reine sempre em seu coraçao... Animais sao capazes disto, nos doa tamanha felicidade!

    O final foi lindo com o papagaio que ganhou a liberdade mas o amor nao o libertou, lindo demais! Parece humano! Alias... parece animal, kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Se o bicho da seda tecesse para ligar as duas pontas, continuando a ser uma lagarta, seria o assalariado perfeito ,rsrsrsr.

    Amei o texto.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  8. Lendo esta crônica fiquei com a sensação de ter uma amiga chamada Jane - a companheira do Weissumuller- rodeada de bichos e, quem sabe, perto de um cipó!

    Sueli, na próxima vida, eu quero vim seu bichinho de estimação: vou mandar na sua casa e fazer tudo que o seu zoológico aí faz; e ser muito amada! Só uma coisa: esqueça a fita crepe!

    E só pra terminar, os dentes do teu amiguinho, aí em cima, tá de botar inveja, hein?! Manda o dentista dele...

    Beleza morar rodeada de tanto carinho...

    Beijão grande!
    Tais luso

    ResponderExcluir
  9. Te entendo bem, aqui em casa Botafogo me aporrinha todos os dias (na mesma hora) para leva-lo para passear.

    Sendo que agora, o meu irmão Gabriel disseu que o Botafogo está batendo a porta a noite pera entra no quarto deste meu irmão para dormir no ar condicionado, vê se pode?!

    Pior, é sério...

    Fique com Deus, menina M. Sueli Gallacci.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, xará, que coisa deliciosa de se ler! Estou me divertindo aqui. São uns verdadeiros felizardos esses seus "filhos"...rs. É, porque considero os animais domésticos verdadeiros "filhos" de quem os tem (já tive alguns também). Beijo grande!

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Adorei sua divertida crônica sobre os seus bichos. Porém... Bicho na minha casa só eu! (E olhe lá...)
    Bjão,
    Adh

    ResponderExcluir
  12. Ai Sueli, vou confessar... de tudo que já li em seu blog esse post foi o que mais AMEI... pr será?! rsrsrsrs... Que galera animada hein!!! Puxa, que legal!!! Sabe que OZZY sempre faz cenas, qdo não gosta de algo ele fica imovel olhando para o chão, tipo tô chateado!! kakakaka.. Ai espera que eu vá até lá, e faça a cena de boa mãe...kakakaka... demais esses mimos né... Queria te pedir para às vezes postar algo sobre eles, pode ser?! bjos,

    ResponderExcluir
  13. Oi Sueli, delícia de crônica! Gosto muito da sua forma de escrever, muito divertida!!!^^

    Passando para fazer um convite especial:


    Gostaria de convidar vc para participar do nosso 2º Amigo Oculto de Natal, as inscrições estão abertas para quem quiser participar, será uma linda festa de confraternização virtual. Para saber mais detalhes e se inscrever passe no meu blog.

    Abraços e obrigada!!

    Ξ ѕ t є я ")

    ResponderExcluir
  14. Nossa! dava pra fazer um filme mais divertido que '101 dalmatas', 'Marley e eu'.... qualquer coisa assim, supercomédia!!! e sentimental.
    E sobre o 'doutor' acho interesante... um dos filmes que mais gosto é 'The Horse Whisperer' muito lindo.
    Abraços com carinho amiga.

    ResponderExcluir
  15. Você não só discorre bem sobre o assunto como também consegue passar imagem e emoção!

    Muito belo, são fatos que não só prendem a atenção dos adultos como também das crianças.

    Voltarei sempre! Bjs
    Isaías Carriço

    ResponderExcluir
  16. Su!!! kkkkkk Eu tinha esquecido desta crônica, vi acima que até já tinha comentado...

    Agora que conheço você muito mais, de nossos papos diários, li com outros olhos. Espetacular teu relacionamento com estes bichinhos, também dou a vida por eles.
    Gostaria de conhecer este papagaio mal-educado, mas maravilhoso. Amiga... convenhamos, que beleza morar perto dos animais!
    Venha pra selva de pedra, venha!! Vai ver o que é bom pra tosse.

    Beijão, amiga!
    Tais Luso

    ResponderExcluir
  17. rsrsrsr ri demais , adorei a do gato Bartolomeu adoro felinos e o jeito como eles lidam com nós humanos está de parabéns estou adorando o blog

    ResponderExcluir
  18. Jura que vc tem todos esses bichinhos? Aqui só temos uma gata e já é muito pelo pouco espaço.
    Adorei a crônica, um barato!
    Beijinho e muita paz...

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs