“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

8 de mai de 2013

Verbo de Sertanejo




A lua cresce
A chuva míngua
O verde foge
O mato seca

A enxada espera...

A chuva some
A terra racha
O gado deita
A vida para

Maria reza

A noite estanca
O sol arde
O céu azula
A viola cala

Maria chora

A lua míngua
O gado cala
O medo cresce
A esperança some
A lágrima seca
A ferida azula
O estômago arde
A criança deita
Maria estanca
A viola chora

Assim é o verbo do sertanejo:
Conjugado no tempo
Que não tem tempo
De ser futuro.

Só o presente
Ausente
No tempo
De esperar
Bom tempo.

-Sueli Gallacci

21 comentários:

  1. Impressionante, Sueli, como você consegue narrar o sofrimento, o desespero da região mais pobre do país! Ao ler vai dando um nó de desesperança por ver que entre tantas coisas, a natureza não também não se faz presente.
    Belo e verdadeiro; mesmo que sofrido.

    Beijo grande, amiga!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tais!! Que bom que gostou, passei pela crítica kkkkkkkk

      Um elogio vindo de vc, que é tão seletiva na leitura e dona de um bom gosto incomparável na literatura, ai, ai, ai, tô flutuando aqui rsrs.

      Lembrei desse poema quando li na semana passada que choveu em algumas regiões do nordeste seco. Pouco, mas o suficiente para trazer esperança ao sertanejo... Queremos tantas coisas e eles só querem chuva.

      Triste pensar que o nordeste já poderia ter sido irrigado há muitos e muitos anos!!Mas isso não é interessante para os que mamam nas tetas da indústria da seca. Lamentável e vergonhoso!!!

      bjobjo!!

      Excluir
    2. kkk Credo, sou menos, amiga!
      Seletiva sim, mas não crítica kkkkk. Você sabe, já lhe disse em nossas conversas por e-mail, que você é carregada de sensibilidade pra poetar! Já li coisa muito boa aqui! Excelente!

      Mais beijo!

      Excluir
  2. "Só o presente
    Ausente
    No Tempo
    De esperar
    Bom Tempo".- Lindo! Sensível.

    BOM TEMPO.> Literalmente um presente. Em forma de chuva, do alimento,da compaixão de Deus.
    Bjs. Adorei, seus versos deslizam mesmo em terreno árido.

    ResponderExcluir
  3. Voltei para desejar um "Feliz Dia das Mães."
    Mil beijos, Mil flores, muito carinho e paz neste dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga querida!!!

      Espero que seu dia das mães tenha sido mágico, encantador!!
      O meu não foi assim uma Brastemp como já te contei por e-mail kkkkkkkkk Maaaaas, ainda vai acontecer no próximo domingo num almoço bem legal!! Afinal, o dia, o almoço é só pretexto, o importante é estarmos juntos, né não? Só espero não ir parar no hospital novamente kkkkkk

      Bjos amigona!!

      Excluir
  4. Amo essas associação artes plastica e poesia.
    Fico encantada sempre.
    Bela terça-feira.
    Bjkas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amiga pela sua presença aqui!!

      Linda semana!

      Bjobjo!!

      Excluir
  5. Sueli,

    Fico encantada com seus versos - com o que eles dizem - e também com sua capacidade de usar e abusar dos recursos linguísticos!

    Aqui,não há dúvidas de que você conjugou perfeitamente o verbo do sertanejo. Lembrei-me até do livro Vidas Secas que li há muitos e muitos anos atrás... rsrsrs

    Maravilhosa poetisa, das minhas preferidas - sem confete e sem exagero na expressão.Amo vir aqui e "te" ler! Bjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada suzy! Nossa, vc me emociona com seus comentários! Fico tãaaaaao feliz com eles!!

      Eu tbm li vidas Secas, mas faz tanto tempo que só consigo lembrar da cachorrinha 'Baleia' rsrs.

      Bjo grande amiga,adoro ver vc aqui!

      Excluir
  6. Não conhecia seu poder nos versos, estou impressionado!

    Depois de ler Vidas Secas, eu passei a olhar mais para essa questão do homem sendo abandonado até pela natureza, de onde ele tira seu sustento. É uma realidade um pouco longe de nós, que caminhamos sobre o asfalto e respiramos o ar poluído e seco, mas logo estamos em nossas casas, onde um aparelhinho que umedece o ar resolve o problema. A comida está na geladeira e qualquer coisa o mercado é logo ali. Mas no mesmo território que o nosso, outras realidades conseguem ser o extremo...

    Adorei!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fê!

      Vc pegou a essência, é isso mesmo! Uma realidade que parece tão longe de nós, que muitas vezes esquecemos! Não dependemos do tempo para as coisas essenciais à nossa existência, e até mesmo reclamamos da chuva quando temos um passeio a fazer... E chuva é tudo que o sertanejo deseja para tão somente sobreviver...

      Obrigada, fico feliz que tenha gostado dos meus versos!! Tbm adorei teu comentário e vc aqui!!

      Bjão procê!!

      Excluir
  7. Prezada Sueli, Uau!
    Netos inspiram, lindos versos!
    O mais já foi dito...
    Bjão,
    Adh

    ResponderExcluir
  8. Prezada Sueli, Uau!
    Netos inspiram, lindos versos!
    O mais já foi dito...
    Bjão,
    Adh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Adhemar!!

      Sendo assim, vou ficar ainda mais inspirada... Está chegando outro neto! rsrs. Coisa boaaaaaaaaaaa!!

      Grande abraço!

      Excluir
  9. Olá! Desculpe a intromissão, mas ameis a sua poesia! Senti ares de Guimarães e Jorge Amado! Parabéns, já a sigo! abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ives!

      Seja bem vindo!
      Obrigada pelas palavras.

      Grande abraço.

      Excluir
  10. Na verdade...achei excelente..
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Ariano iria gostar muito. Se ele nao pode ler, perdeu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que vou mandar o link pra ele rsrs. Obrigada pelo comment! Prazer imenso vê-lo aqui! Grande abraço.

      Excluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs